NOTÍCIAS

Economia financeira pede disciplina e maturidade

Sem dinheiro para pagar as contas do mês? Qualquer semelhança com a realidade é tema de cursos que ajudam a administrar o orçamento doméstico para não cair no vermelho. Como nem todo mundo coloca em prática os ensinamentos da educação financeira, especialistas recomendam guardar 10% do salário em poupança ou em investimento para evitar apuros ou para enfrentar os imprevistos.

No Brasil, o índice de endividamento aumentou para 57,3% em junho, em relação a 55,9% em maio. Apesar do aumento, o número de famílias endividadas continua em patamar inferior ao observado em junho de 2011 (64,1%). Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor.

Segundo o economista, Antônio Zotarelli, no controle de gastos é preciso discernir necessidade de supérfluo. Nesse cenário, existe a pressão de crédito que facilita o financiamento - carnês, cartões, cheque especial - a juros exorbitantes. "Nunca foi tão fácil conseguir dinheiro como nos dias de hoje", diz.

O índice de inadimplência, medido após 90 dias de atraso ao quitar as compras, gira em torno de 7%, conforme o especialista.

Ele destaca que não basta seguir o ensinamento milenar que orienta gastar menos do que se ganha. "Uma dica é fazer de conta que o endividamento não acabou. A finalidade é apertar o cinto, segurar o bolso para não fazer novas dívidas", ressalta.

Zatorelli acrescenta que a influência psicológica é grande frente à pressão do consumo, da propaganda e do marketing que induzem necessidades. "Tudo que mexe com satisfazer às necessidades é difícil, porque envolve a consciência e a maturidade de decisões entre o que é preciso e o que é capricho", opina.

Para o economista, anotar o que se consome, fazer uma planilha de gastos e comprometimento de necessidades básicas ajudam bastante. Um dos reflexos de que a desorganização financeira prejudica outros setores da vida (profissional, social e conjugal) é a depressão, as faltas ao trabalho e até o divórcio - 34% das separações são provocados pelo transtorno financeiro.

"O índice de faltas no trabalho para um endividado é três vezes maior se comparado com o empregado com as contas em dia", estima. (Tarcila França - Especial para O Diário)



Publicado em: 01/07/2012         Fonte: Odiario.com         Postado por: Equipe Essência Sobre a Forma

Voltar

 

bursa escort
porno
porno
bodrum bayan escort