NOTÍCIAS

bakirkoy masaj evde masaj istanbul masaj masaj xnxx video ensest hikaye
Pacote do governo representa apenas 1% dos investimentos anuais do país

O "PAC Equipamento", programa de compras governamentais que pretende aliviar alguns setores industriais, não terá o efeito desejado pelo governo, segundo disseram dois especialistas ao Jornal do Brasil.

Segundo eles, o programa, anunciado nesta quarta-feira (27) pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, representa menos de 1% do total de investimentos realizados no país anualmente. O projeto anunciado liberação de R$ 8,4 bilhões até 2017, Anualmente, no entanto, os investimentos governamentais e privados no Brasil giram em torno de R$ 800 bilhões, segundo pesquisa do IBGE.

>> PAC Equipamentos destina R$ 1,5 bilhão para Ministério da Defesa

O valor do programa ainda é superior em R$ 6,6 bilhões ao que inicialmente estava planejado pelo próprio governo. Todo o recurso anunciado será usado para aquisições nas áreas de saúde, defesa, educação e agricultura. Com isso, o PAC 2012 sobe de R$ 42,6 bilhões para R$ 51 bilhões. “Foi o maior que já fizemos e vamos procurar implementá-lo em sua totalidade”, disse o ministro.

O anúncio foi comemorado por alguns representantes das indústrias nacionais que destacaram a redução na Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de 6% para 5,5% - anunciada por Mantega - como um dos principais pontos positivos. Representantes do Centro das Indústrias e da Federação das Industrias do Estado de São Paulo (CIESP e FIESP) viram aspectos positivos no pacote, mas destacaram que apenas estas medidas são “insuficientes” para estimular a economia.

Para o economista Pedro Paulo Silveira, da TOV Corretora, a “euforia é muito grande para medidas muito pontuais, que não vão modificar em nada o cenário”. O especialista acredita que o pacote beneficiará poucos setores e apenas a curto prazo. "O valor é irrisório, não vai adiantar em nada, foi um anúncio comemorado, mas é completamente ineficiente", analisa.

Segundo Mantega, as políticas que o governo vem aplicando desde 2011 visam evitar a depreciação da economia brasileira, frente à piora do cenário externo. O ministro destacou ainda que, além de superar as consequências da crise econômica, o pacote também deverá “atender às necessidades da população, enfrentar problemas como seca no nordeste, ampliar a capacidade produtiva, melhorar estradas e aumentar os investimentos no país. É importante estimular o investimento, que é a mola mestra da economia", destacou.

Para Silveira, as medidas são “bem intencionadas”, mas estão longe de alcançar o seu objetivo, que é incentivar o investimento e assim, provocar o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto). “A questão fundamental é que o problema do investimento não será resolvido até o final da crise internacional. Ninguém, muito menos o Brasil, tem ferramentas para controlar a crise, a própria Dilma falou que é difícil conseguir algo quando o mundo todo não consegue fazer muita coisa”, afirmou.

O empresário Paulo Skaf, presidente da CIESP e da FIESP, sugeriu outras medidas para que o combate a desaceleração seja ainda mais efetivo. “No curto prazo, uma solução eficiente, prática e democrática é alongar os prazos de recolhimento de impostos federais e estaduais. Dessa forma, haveria mais liquidez para todas as empresas e isso estimularia a economia como um todo", afirmou.

Mantega garantiu, após o anuncio do pacote, que o Brasil crescerá mais de 2,5% este ano com estas e outras possíveis iniciativas. "As medidas não vão acabar, esta não foi a primeira, nem será a última do governo para fortalecer a indústria nacional. São várias as iniciativas para estimular a produção brasileira e assim, estimular o crescimento do PIB", afirmou.

O programa

As compras que serão realizadas pelo governo priorizam os itens produzidos no país, que podem ser adquiridos com preços até 25% superiores aos dos concorrentes na área de saúde. A margem de preferência vai variar entre 8% e 25% para o que for produzido pela indústria brasileira até junho de 2017.

Entre os itens previstos estão tomógrafos e aparelhos de hemodiálise. O governo também oferecerá financiamento do BNDES para a compra de equipamentos na área de saúde. Nesse caso, o índice de nacionalização deve ser de, no mínimo, 60% como forma de estimular a produção de equipamentos médicos no Brasil, conforme dados do Ministério da Saúde.

O programa também vai beneficiar escolas por meio da compra de ônibus e mobiliários. No total, na área educacional, serão adquiridos 8,5 mil veículos e 30 mil móveis. Para combater a seca, serão comprados 8 mil caminhões e 3 mil patrulhas agrícolas (conjunto formado por tratores e implementos na busca de aumentar a produtividade agrícola). Entre os veículos, estão ainda 2,1 mil ambulâncias para o Sistema Único de Saúde e 160 vagões de trens, além de 500 motocicletas para as polícias Federal e Rodoviária Federal.



Publicado em: 28/06/2012         Fonte: Carolina Mazzi - Jornal do Bra         Postado por: Equipe Essência Sobre a Forma

Voltar

 

bursa escort
porno
porno
bodrum bayan escort