NOTÍCIAS

bakirkoy masaj evde masaj istanbul masaj masaj xnxx video ensest hikaye
Escolha de sócio e divisão de poderes são cruciais para sucesso de sociedade

O consultor empresarial José Carlos Ignácio*, diretor da JCI Acquisition, apresenta as diretrizes que os líderes precisam possuir para que as competências individuais sejam potencializadas na gestão financeira, administrativa e de recursos humanos.

“O relacionamento entre os sócios e a gestão diária devem ser planejados e organizados. O poder de decisão deve ser maduramente dividido, levando em consideração fatores como necessidades da organização e competências individuais”, ressalta o diretor da JCI Acquisition, empresa de consultoria especialista em relacionamento e coordenação de sócios.

Normalmente a cúpula da empresa divide-se em diretoria administrativa, financeira, marketing comercial e produção, que variam de grau de importância de acordo com o ramo de atuação do empreendimento.

O consultor orienta que, se a firma está nos seus primeiros anos de atividade, há cargos que podem ser delegados a profissionais e outros em que o comando e domínio do sócio são insubstituíveis, sob risco de perda de qualidade do serviço ou produto oferecido.

“A priori, a direção financeira é decisiva em qualquer ramo de atividade, sendo dificilmente delegável a terceiros em uma sociedade em que os sócios a gerenciem diretamente”, explica José Carlos Ignácio, que destaca algumas situações que podem vir a acontecer quando os envolvidos na sociedade não alinham as atuações.

Conflitos internos

Segundo o diretor da JCI Acquisition, a má divisão de atuação pode interferir no desempenho dos funcionários. “Uma empresa de construção civil tinha um sócio centralizador e um sócio ‘delegador’. Essa diferença gerava conflito diariamente, pois era utilizada pelos funcionários que concentravam, sempre que podiam, todas as demandas junto ao sócio ‘delegador’, pois as chances de sucesso eram maiores”.

Nesse caso, a orientação do especialista foi pela revisão do organograma simultaneamente a uma reunião entre os líderes. “Após essas ações, em um curto período os colaboradores entenderam a mudança e perceberam que despachar com qualquer dos sócios era a mesma coisa, ou seja, prevaleceria sempre os interesses da empresa”, destaca José Carlos Ignácio.

Outro ponto que deve ser verificado na sociedade é o estágio de vida de cada profissional envolvido. Idade, núcleo familiar e situação econômica pessoal devem ser levados em consideração, com o cuidado de não permitir que atitudes e posturas peculiares venham desestabilizar a relação no trabalho.

“Uma situação que encontrei foi a de um sócio jovem e ambicioso e de um sócio de meia idade e independente financeiramente. O debate de ideias e posicionamento da corporação conflitava de maneira muito forte. Identifiquei a situação e conduzi um diálogo aberto sobre as diferentes visões. O resultado foi a contratação de um assessor para o sócio mais idoso, contornando o problema.”

A orientação é para sempre identificar a predisposição ao risco e a carga de dedicação de cada sócio. Essas especificidades devem estar claramente resolvidas e discutidas, pois ambas podem servir tanto para a alavancagem da sociedade como de fontes de atritos permanentes.

* José Carlos Ignácio, sócio-fundador da JCI Acquisiton, possui bacharelado em Administração de Empresas, MBA e Pós Graduação Latu Sensu. É também palestrante e passou por diversas organizações nacionais e multinacionais. Com seu know-how, já participou de processos de Fusão e Aquisição e de Relacionamento de Sócios em diversas empresas em todo o Brasil.



Publicado em: 18/06/2012         Fonte: RZT Comunicação         Postado por: Equipe Essência Sobre a Forma

Voltar

 

beylikduzu escort
porno
porno
bodrum bayan escort