NOTÍCIAS

bakirkoy masaj evde masaj istanbul masaj masaj xnxx video ensest hikaye
Economia fraca faz mercado prever inflação na meta

Os analistas do mercado financeiro já projetam inflação bem próxima do centro da meta de 4,5% em 2012, um cenário impensável alguns meses atrás. O Bradesco, por exemplo, prevê IPCA de 4,9%. O Credit Suisse, de 4,8%. E o Deutsche Bank, de 4,7%. Na terça-feira, uma medida acompanhada de perto pelos investidores brasileiros mostrou, pela primeira vez no ano, uma expectativa de IPCA inferior a 4,5%.

Trata-se de um cálculo que toma por base as negociações com NTN-B, um título público indexado justamente à inflação oficial do País. "O lado bom disso é evidente: a inflação mais baixa traz alívio para o Banco Central", afirmou o economista-chefe da Votorantim Corretora, Roberto Padovani. Ele acaba de rever sua estimativa para 5%, de 5,5% antes. "O lado ruim é que a inflação menor se explica pela ?senhora? desaceleração por que passa a economia brasileira."

Criticado por grande parte dos analistas de mercado pela forma como tem conduzido a política monetária, o BC parece mesmo aliviado. O Estado apurou que, em uma reunião com economistas na semana passada, um diretor do BC fez questão de comentar o resultado de uma pesquisa realizada regularmente pela instituição com o mercado financeiro.

Segundo o diretor, quatro economistas, entre os cerca de 120 consultados semanalmente pela autoridade monetária para compor o relatório Focus, já previam inflação no centro da meta em 2012. A lista deve aumentar nas próximas semanas. Por enquanto, o Focus mostra que a média do mercado projeta IPCA de 5,03%, em comparação a 5,22% um mês atrás e 5,31% em janeiro.

Desaceleração

Como notou Padovani, a inflação mais baixa é uma boa notícia para o Banco Central, que vê fortalecida sua avaliação sobre a economia nacional - desde o ano passado, o BC sustenta que o IPCA convergiria para o centro da meta ao final de 2012. A notícia também é positiva, claro, para o bolso do brasileiro. O problema é o conjunto de razões que provocou a desaceleração dos preços.

"O crescimento mais fraco no Brasil e no mundo reduz o risco de aceleração da inflação nos próximos trimestres", afirmaram os analistas do Itaú em relatório divulgado na quinta-feira. No texto, o banco informou que reduziu a estimativa para o IPCA deste ano de 5,2% para 5%.

Em outro relatório, os economistas do Bradesco observaram que "há sinais" de uma retomada mais fraca da economia neste segundo trimestre, após o crescimento já decepcionante de 0,2% nos três primeiros meses do ano. Sexta-feira, o BC divulgou um indicador que é visto como prévia do Produto Interno Bruto (PIB). O chamado IBC-Br avançou apenas 0,22% em abril.

Também em relatório, os analistas do banco Credit Suisse observaram que "aumentou muito" a chance de que a economia brasileira cresça somente 1,5% neste ano. "Os recentes indicadores domésticos e externos elevaram bastante a probabilidade de que o crescimento do PIB fique abaixo da nossa projeção, de 2%, e fique mais próximo do intervalo de 1% a 1,5%."

O desempenho da economia é uma das razões que levaram os analistas do Credit Suisse a afirmar que o recuo do IPCA tem sido disseminado entre todos os seus componentes. "(Há) expressiva diminuição da inflação, não apenas no conjunto dos preços mais voláteis, como alimentos, bens industriais e combustíveis, mas também nos menos voláteis, como serviços e preços monitorados." Nos 12 meses encerrados em maio, o IPCA alcançou 4,99%. Foi a primeira vez desde setembro de 2010 em que se situou abaixo dos 5%.

Para Padovani, a debilidade da economia é fruto de quatro fatores: crise internacional, que reduz a expansão no mundo todo; custo da produção elevado no Brasil, que inibe os investimentos do setor privado; quebra de safra em alguns culturas agrícolas; e perda de ritmo nas concessões de crédito pelos bancos.

Para tentar estimular a atividade, o governo tem tomado várias medidas. Entre elas, a redução do IPI para a compra de veículos. Não à toa, o preço do carro zero quilômetro caiu 2,6% entre maio e junho, segundo o AutoInforme/Molicar. É o maior recuo desde o auge da crise global, em 2008.

"O que me incomoda é o fato de que a inflação deveria ter caído ainda mais dada a intensidade da desaceleração da economia brasileira", pondera Padovani. "Isso mostra como nossa inflação é estruturalmente alta." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo



Publicado em: 17/06/2012         Fonte: Agência estado         Postado por: Equipe Essência Sobre a Forma

Voltar

 

bursa escort
porno
porno
bodrum bayan escort