NOTÍCIAS

bakirkoy masaj evde masaj istanbul masaj masaj xnxx video ensest hikaye
Consumidor deve comprometer no máximo 30% da renda com dívidas

Eletrodomésticos mais baratos, financiamentos com juros mais baixos e carros com alíquota zero de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Todas essas medidas do governo levam o consumidor a gastar mais para impulsionar a economia. Mas, segundo especialistas, o consumidor deve estar alerta para não comprometer mais que 30% da sua renda líquida com dívidas -embora o percentual possa variar de acordo com a renda do consumidor.

Para o gerente geral do Instituto Nacional de Investidores (INI), Mauro Calil, a soma de todos os gastos financiados não deve ultrapassar 30% da renda líquida, embora o ideal seja que fique abaixo de 20%. “Acima de 30% o consumidor tem uma série de probabilidades de ter problemas financeiros. É um limite intransponível”, conta.

Além dos gastos com prestações não superarem 30% da renda líquida do consumidor (que é de cerca de 30% menor do que aquela valor que aparece no contracheque, pois dela já estão abatidos os impostos), é preciso economizar para um imprevisto. Segundo Calil, o valor poupado todo mês deve ser de 10% da renda líquida.

“Esse valor também vai variar de acordo com o momento. Por exemplo, um jovem que acabou de se formar e mora com os pais pode poupar até 50% do salário enquanto uma pessoa com quase 60 anos que não guardou o suficiente para a aposentadoria também precisa guardar mais. Um recém-casado que acabou de comprar um imóvel pode não conseguir juntar mais do que 10%, mas não deve deixar de guardar pelo menos isso”, conta.

Para o professor de contabilidade e planejamento da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), Amauri Liba, mais seguro que pensar em um valor fixo em cima da renda é diminuir do salário líquido todas as despesas (desde o financiamento da casa própria até o cafezinho na padaria) e do valor restante deixar um terço aplicado e usar no máximo dois terços com parcelas futuras.

“O governo quer melhorar a economia e estimular o consumo, então cabe a cada consumidor aprender a gerir da melhor forma o seu orçamento. O segredo é, na hora de projetar dívidas, nunca projetar um cenário muito bom, considerar que emergências podem acontecer”, diz Liba.

O educador financeiro Ofir Viana Filho considera que é melhor elaborar um orçamento para todo o ano respeitando o fato de que em alguns meses os gastos serão maiores e, em outros, menores. Melhor ainda é nunca comprometer a renda futura.

“Se eu for fazer uma dívida, não devo pensar em comprometer um salário do futuro, mas devo calcular em termos da sobra que eu já tenho. A fórmula é fazer as dívidas em termos do saldo e não da receita”, afirma.

Para o consultor financeiro e diretor da Projeção.com, Ricardo Borges, ao calcular as despesas o consumidor não deve deixar de lado gastos importantes que vêm com um bem. Um carro, por exemplo, não custa apenas o valor pago na concessionária. Além dos gastos iniciais com emplacamento e seguro obrigatório, ele deve se lembrar que o gasto real inclui impostos, seguros, manutenção. “Tenho que ter certeza do custo real do bem antes de me comprometer com a dívida”, conta.

Entenda

- De acordo com analistas, os consumidores devem comprometer no máximo 30% da sua renda líquida com todos os pagamentos parcelados

- O ideal é que o comprometimento seja de até 20%, mas é aceitável que atinja 30% da renda líquida. Porém, esse valor tem que ser considerado intransponível

- Também é recomendável que ele poupe pelo menos 10% do que ganha

- O valor a ser poupado ao longo da vida deve variar, mas nunca ficar abaixo desse limite



Publicado em: 09/06/2012         Fonte: Jornal Agora - MS         Postado por: Equipe Essência Sobre a Forma

Voltar

 

beylikduzu escort
porno
porno
bodrum bayan escort