NOTÍCIAS

bakirkoy masaj evde masaj istanbul masaj masaj xnxx video ensest hikaye
Em tempos de crédito fácil, guarde até 6 salários para imprevistos

Em uma série de propagandas de um grande banco do País, chamada de "possibilidades", o narrador entoa a expressão "vai que" e tenta mostrar que as imprevisibilidades estão rondando todo mundo o tempo todo. Com as "torneiras" do crédito abertas, parte dos consumidores foi atrás do primeiro imóvel ou carro e se esqueceu de guardar parte para os momentos de emergência. Segundo analistas, antes de buscar mais crédito no mercado para pagar essas dívidas, o ideal é se livrar de todos os financiamentos para evitar complicações financeiras. Para não passar o sufoco, o recomendado é manter uma reserva correspondente ao valor de quatro a seis meses de salário apenas para enfrentar os períodos de turbulência.

"Perdeu o emprego e não tem dinheiro para pagar, é hora de correr para vender os bens, se livrar dos ativos antes de fazer dívidas. Se precisar, é melhor vender por um valor menor que o do mercado para garantir o capital e não pagar juros", diz o consultor financeiro e diretor da Projeção.com, Ricardo Borges.

Segundo ele, essa reserva, porém, não pode ser tratada como uma poupança ou investimento. Ou seja, não será esse valor que, no futuro, será usado para comprar um bem. É um valor que deve ficar aplicado em um investimento que permita retirada rápida, como a poupança, e deve ser gasto apenas com emergências e reposto na primeira oportunidade."Essa é a estimativa de tempo média para arranjar outro emprego, mas varia de acordo com o salário e a formação. Quanto maior o cargo na pirâmide, mais difícil a recolocação", afirma Borges.

Para o educador financeiro Ofir Viana Filho, o ideal é importante vender o bem financiado rapidamente para não perder dinheiro. No caso de um automóvel, por exemplo, a empresa pode requerer a posse do bem após três meses em caso de falta de pagamento. Isso significa que, se o comprador não vender o bem nesse período, vai simplesmente perder o dinheiro de várias prestações já pagas. "Venda o bem enquanto ainda vale a pena para alguém comprar e quite as dívidas. Quem perde a renda principal só vai ter despesa, então a prioridade é eliminar os débitos", conta.

Para o gerente geral do Instituto Nacional de Investidores (INI), Mauro Calil, o financiamento sem entrada e em um número alto de parcelas pode fazer com que, em tempos de dificuldade, nem a venda do bem sirva para quitar toda a dívida. "Se o consumidor comprou um carro popular em 60 meses, por exemplo, o valor de mercado do carro pode ser menor do que a dívida que a pessoa ainda tem com as prestações."

Na hora do aperto, antes de escolher quais as dívidas quitar primeiro, é importante levantar a capacidade de pagamento e ver até quanto vai poder usar por mês com os débitos, diz Calil. Posteriormente, a melhor opção é a negociação. "O importante é se livrar das dívidas mais caras, que não são necessariamente as mais altas, mas aquelas com as maiores taxas de juros. Vale também tentar renegociar o valor e pedir abatimento dos juros. Mas é importante negociar dentro da sua capacidade de pagamento e honrar todas as prestações, ou esse consumidor nunca vai sair da lista de endividados", comenta.

Segundo o professor de contabilidade e planejamento da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap) Amauri Liba, a pessoa deve comprometer no máximo 25% do orçamento com todas as dívidas exatamente para não ter q se desfazer do bem em um momento mais complicado. "Se o comprometimento máximo for esse, no caso de um casal, por exemplo, se um perder o emprego com a renda do outro é possível não atrasar o pagamento. Mas se a pessoa tem a reserva de emergência possivelmente não terá problemas, conseguirá uma recolocação antes de entrar na inadimplência."
Entenda

- Para se preparar para momentos de dificuldade e não ter que vender bens, analistas sugerem que toda pessoa mantenha uma reserva equivalente ao valor de quatro a seis meses do atual salário
- Essa reserva não pode ser considerada um investimento, ela deve estar separada para momentos incertos como perda de emprego, doença na família.
- A reserva deve ficar em uma aplicação de alta liquidez (de fácil retirada), como a poupança
- Caso não tenha essa reserva, especialistas afirmam que para não ficar inadimplente é melhor vender os bens financiados para evitar pagamento de juros
- Uma vez inadimplente, é importante saber a sua capacidade de pagamento, tentar renegociar primeiro as dívidas mais caras (com juros mais altos) e honrar todas costuma dizer que se inspira em Che Guevara e Steve Jobs. Será?



Publicado em: 09/06/2012         Fonte: Cidadeverde.com         Postado por: Equipe Essência Sobre a Forma

Voltar

 

bursa escort
porno
porno
bodrum bayan escort