NOTÍCIAS

bakirkoy masaj evde masaj istanbul masaj masaj xnxx video ensest hikaye
Suposto contador de Cachoeira se diz inocente. Outros três investigados preferem o silêncio

Único dos quatro convocados a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista do Cachoeira a falar nesta quarta-feira (30), Lenine Araújo de Souza negou que tenha trabalhado na contabilidade ou tivesse sido sócio de qualquer empresa daquele que é acusado de chefiar um esquema criminoso com ramificações nos setores público e privado. Ele prometeu colaborar com a comissão, mas somente depois de apresentar sua defesa no processo que responde no Judiciário.

Diante da aparente disposição de Lenine para ajudar, o presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) remarcou outro interrogatório com o acusado para a semana que vem.

– Estou respondendo a um processo na Justiça Federal em Goiás; nesta quinta-feira [31], haverá audiência com as testemunhas de acusação e defesa; na sexta-feira [1º], prestarei depoimento. Estou aqui disposto a colaborar, mas não posso me manifestar sem ao menos saber o que as testemunhas vão falar. Proponho o adiamento de minha participação nesta CPI – afirmou.

Aos parlamentares, Lenine disse que está sendo humilhado e injustiçado desde que foi preso no dia 29 de fevereiro na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal.

– Sou administrador formado e, ao longo de 45 anos, nunca havia sido preso, algemado, e nunca havia respondido a qualquer processo. Fui posto em isolamento numa penitenciária de segurança máxima, numa situação que causou graves problemas psicológicos a mim e a minha família – lamentou.

Outros três convocados para depor nesta quarta-feira, usaram o direito de permanecerem calados. Cláudio Abreu, ex-diretor da Delta Centro-Oeste; Gleyb Ferreira da Cruz, apontado como laranja do grupo comandado por Cachoeira; e José Olímpio de Queiroga Neto, acusado de ser gerente da organização, permaneceram poucos minutos na sala da comissão e foram liberados pelo presidente Vital do Rêgo (PMDB-PB) depois que confirmaram a opção pelo silêncio.

Adiamento

A CPI aprovou o adiamento do depoimento do ex-presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Eduardo Rincón, que seria ouvido como testemunha. Jayme, citado nas investigações, enviou documento à CPI, alegando não poder comparecer por motivos de saúde.

Também foi adiado o depoimento de Rodrigo Moral Dall Agnol, contador da empresa Delta. Ele foi convocado na condição de testemunha, mas segundo Vital do Rêgo, houve uma confusão no pedido de habeas corpus impetrado por Agnol no (Supremo Tribunal Federal STF), que considerou a presença dele na CPI na condição de indiciado.



Publicado em: 31/05/2012         Fonte: Cenário.MT         Postado por: Equipe Essência Sobre a Forma

Voltar

 

bursa escort
porno
porno
bodrum bayan escort