NOTÍCIAS

bakirkoy masaj evde masaj istanbul masaj masaj xnxx video ensest hikaye
Nova poupança remove "resquícios" do período de inflação alta, diz BC

As novas regras da poupança já valem para os depósitos que forem feitos a partir desta sexta-feira (4). O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, elogiou a mudança feita no rendimento da poupança. Segundo Tombini, com as alterações, o Brasil "dá um passo fundamental na direção de remover resquícios herdados do período de inflação alta".

O presidente da autoridade monetária diz confiar que a caderneta de poupança continuará sendo "um patrimônio da nossa sociedade, reconhecidamente um produto financeiro tradicional, de fácil compreensão e amplamente utilizado por todos os brasileiros".

Mais cedo nesta quinta-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou que as cadernetas abertas e depósitos feitos em poupança a partir de hoje terão nova remuneração, mas somente quando a taxa básica de juros for igual ou menor que 8,5% ao ano. Atualmente, a Selic está em 9% ao ano.

Com a alteração, a remuneração da poupança será o equivalente a 70% da taxa Selic acrescida da Taxa Referencial, a TR, também usada hoje para calcular o rendimento da caderneta.

Poupadores

Para os clientes de cadernetas já existentes que realizarem depósitos a partir de hoje, os bancos vão criar duas contas-poupança: uma com o depósito feito até ontem (03 de maio) e outra com os ingressos a partir de hoje (04 de maio) - ambas sob o mesmo CPF.

Por conta da nova regra, automaticamente os novos depósitos serão incluídos na conta nova. No momento de fazer um resgate da poupança, o correntista deverá escolher se deseja realizar o saque da conta mais antiga ou da mais nova. Toda essa operacionalização deverá ser providenciada pelos bancos onde o poupador guarda o dinheiro.


Economista elogia mudanças

A alteração é necessária para permitir que o governo continue reduzindo os juros, já que evita uma migração de investidores para a poupança, explica o economista Pedro Paulo Bastos, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

"Se a remuneração fosse mantida e a Selic continuasse caindo, o governo teria dificuldades de se financiar, já que os títulos da dívida do país estão atrelados a taxa básica, pois a poupança se tornaria mais atraente ao investidor", analisa.

A presidente Dilma Roussef já declarou que pretende continuar reduzindo a Selic, até atingir níveis "internacionais" de juros para o Brasil.

O especialista acredita que a medida está alinhada com a política monetária do governo e era "necessária" para a economia do país. Bastos afirma que a redução constante dos juros contribui para a queda do preço do crédito nacional, muito importante para o crescimento do Brasil.

"É preciso reduzir o custo de crédito geral, é preciso atrair menos capital externo e a política de redução dos juros aplicada no país vêm neste sentido. Além do que, os juros são custos financeiros, que são repassados para o consumidor", afirma.

A política de cortes na Selic, aplicada desde 2011, trouxe temores de uma possível alta na inflação, mas Pedro Paulo acredita que a manipulação dos juros não é a única forma de controlar a alta nos preços. Esta crença, segundo o especialista, vêm de que a inflação é influenciada apenas pela demanda, o que não é verdade.

Os preços do petróleo, a importação de insumos e o valor das commodities são fatores essenciais na medição dos preços. Os juros altos também influenciam a alta na inflação, pois os preços são repassados para o consumidor.

"É uma boa política reduzir juros e conter (a inflação) com mecanismos de regulação para conter pressões de demanda", conclui.



Publicado em: 04/05/2012         Fonte: Jornal do Brasil         Postado por: Equipe Essência Sobre a Forma

Voltar

 

beylikduzu escort
porno
porno