ENTREVISTA COM ESPECIALISTA

Veja aqui as
entrevistas
anteriores

Especialista: Ailton Fernando de Souza

Bacharel em Ciências Contábeis, Pós-graduado em Gestão Estratégica, Ex-professor do curso Técnico em Contabilidade do SENAC, exerce cargo de Gestão e Gerência de Contabilidade, Autor e coordenador de diversos livros de contabilidade.

Especialidade: Escritórios de Contabilidade

Entrevista concedida em: 27/06/2015

Entrevistador: Ronnie de Sousa
Profissional de contabilidade, auditoria interna e controladoria, Bacharel em contabilidade, MBA em IFRS pela FIPECAFI/USP, sócio fundador do Portal Contábil Essência Sobre a Forma com mais de 30 cursos de extensão universitária.

 

 

 

[Ronnie de Sousa] Diante da expansão de grandes empresas na área contábil, especialmente no segmento de outsourcing, existe mercado para os tradicionais escritórios de contabilidade?

[Ailton Fernando] Não podemos decretar de fato o fim dos escritórios que não seguem a vanguarda, que não se modernizaram em termos de processos e de feedback à sociedade e especialmente a seus clientes, mas é possível prever que podem sofrer uma grande perda de clientes, especialmente empresas de médio e grande porte que necessitam de dados mais qualitativos, dinâmicos e formatados para suas áreas e mercados de atuação. É provável que em um espaço de tempo não tão grande, tenhamos grandes empresas de contabilidade e pequenas empresas, comprometendo assim os escritórios que não investem em estrutura, tecnologia e bons profissionais. Uma outra tendência forte, mas que desacelerou, por conta da crise, é a internalização da contabilidade, mesmo em empresas de nível médio, mas sob a batuta, sob o acompanhamento de um profissional experiente, muitas vezes advindo de escritórios de contabilidade. Digamos que está ocorrendo uma “seleção natural”. Isso também vêm ocorrendo com as empresas que desenvolvem ERP`s voltados para o seguimento contábil, quando grandes empresas acabam comprando pequenas empresas, ou empresas de software se alinham/unem com consultorias jurídicas especializadas, garantindo assim uma parceria que alia tecnologia e expertise jurídica/tributária.

Com a recessão que se instaurou , a sobrevivência dos pequenos e médios escritórios ficou ainda mais difícil, pois aumenta o grau de inadimplência, reduz a clientela (com empresas que fecham suas portas), com a exigências societárias, fiscais e tributárias falta dinheiro para o investimento em pessoas, tecnologia e conhecimento, logo, o processo transforma-se  em uma grande bola de neve. Duas alternativas podem ser consideradas: segmentação de clientela, ou união entre os escritórios pequenos para fortalecerem-se.

 

[Ronnie de Sousa] Ainda falando sobre mercado contábil, qual sua opinião sobre “contabilidade online”, é possível realizar um bom trabalho sem proximidade com o cliente?

[Ailton Fernando] O processo contábil é mais complexo e completo do que o simples registro; requer conhecimento do cliente, do ramo, do mercado, da estrutura , do processo além de constante contato e acompanhamento. A escrituração on line é uma opção a ser considerada, mas de forma moderada já que a mesma limita-se à escrituração de fato, e não ao processo como um todo. Acredito que seja uma opção válida para o processo de classificação, reduzindo a mão-de-obra, mas deve se estender além dessa operação. Quando a consultoria contábil  é contratada, geralmente o contrato prevê a escrituração contábil, fiscal, administração da folha de pagamento, envio dos tributos, confecção das obrigações acessórias, mas outros aspectos como planejamento tributário, orientação quanto  a melhores opções de negócios, orientação administrativa, criação de controles internos, otimização de processos, revisão/criação de fluxos de caixas e outros “N” exemplos de atividades próprias do contador não podem ser definidas, criadas e difundidas de forma “on line”.

De fato, acredito que a escrituração possa ser realizada on line, porém, além da mesma ainda ter que ser revisada, no entanto, não vejo resultados satisfatórios para as demais etapas de todo o processo.

 

[Ronnie de Sousa] Os gestores e profissionais que atuam em escritórios de contabilidade estão preparados para enfrentar questões complexas da atualidade, como IFRS, SAT, e-Social, Bloco K, entre outros assuntos?

[Ailton Fernando] Ainda não estão; especialmente por conta do momento crítico o qual atravessamos (empresas fechando, inadimplência alta, dificuldades na contratação, etc...)e por conta da forma como essas novidades/exigências/obrigações são expostas. Infelizmente as obrigações são apresentadas de uma forma extremamente impositiva, onde o tempo de preparo é insuficiente tanto para os empresários clientes quanto para os empresários e profissionais de escritórios contabilidade absorverem. O próprio Fisco, responsável pela criação e implantação tem dificuldades em lidar e orientar.

Na tentativa de compreensão e de atenderem a todas as exigências alguns gestores/empresários de escritórios buscam atualizações através de cursos e treinamentos, outros investem em ferramentas (softwares), porém, a grande maioria não tem a possibilidade de tempo e recursos para essas ações. O grande problema é que mesmo os empresários/gestores de contabilidade que conseguem se qualificar e investir em tecnologia também têm grande dificuldade em atender todas as obrigações e exigências, porque boa parte dos dados devem ser gerados/reportados pelo cliente, e nem sempre o cliente tem essa condição, logo, existem problemas sérios nas duas pontas.

O IFRS era um desconhecido para grandes partes dos gestores, e apenas a partir de Lei 12.973/2014 passou ser mais amplamente difundido pela classe, porém, ainda não há consenso (apesar de necessário) da adoção , já que mesmo o modelo simplificado(ITG 1000)requer dados os quais nem sempre são disponibilizados aos escritórios, ou os empresários clientes não estão dispostos a investir no levantamento de tais (como por exemplo teste de recuperabilidade de estoques, ou impairment no bens do ativo), inda temos um desafio na implantação do IFRS, especialmente para PME.

O bloco K  e o E-Social são exemplos de obrigações que necessitam quase que 100% dos dados gerados pelo próprio cliente e devem ser inseridos na rotina da empresa, logo, escritório de contabilidade, através de seus gestores necessitam reavaliar com os clientes quanto à responsabilidade pelo cumprimento dessas novas obrigações.

Via de regra, o despreparo é comum aos clientes e aos escritórios, e para amenizar essa situação deveria ser revisto todo o processo e formato de criação, exigência e educação quanto às obrigações; inclusive, até mesmo na constituição de um novo negócio/uma nova empresa o futuro empresário deveria se submeter a um treinamento que o preparasse para o empreendimento.

 

[Ronnie de Sousa] De que forma a crise econômica que estamos vivendo esta atingindo os escritórios de contabilidade? Existe uma forma de driblar a crise neste segmento?

[Ailton Fernando] Infelizmente os reflexos são os piores, porque a inadimplência e o fechamento de empresas reduz as receitas e forçam os escritórios a reduzirem suas estruturas, principalmente com demissões. O grande problema é que as demissões acabam não resolvendo o problema, pois quando a empresa decide encerrar suas atividades já não possuem recursos para honrar as dívidas existentes inclusive com os escritórios.

A crise chegou no pior momento possível, já que para manter a clientela o escritório precisa realizar investimentos e contratações que garantam a qualidade e pontualidade da informação e cumprimento das obrigações; o que percebemos é o encolhimento dos escritórios e a aposta em outras áreas, como por exemplo, a administração do financeiro (contas a pagar/receber e fluxo de caixa) de clientes, correspondentes bancários , terceirização de áreas internas (TI, por exemplo)para reduzir custos.

Como driblar a crise? Dando motivos para que o cliente perceba o quanto é necessária a participação e o trabalho do escritório; sendo parceiro e atendendo as necessidades com pontualidade e agilidade (dentro do que lhe compete)e, se for o caso, trazendo a possibilidade, se necessário, de flexibilidade em uma eventual negociação, mas a oferta de outras atividades, como administração do financeiro, outras opções tributárias que possam resultar em economia têm trazido bons resultados.

 

[Ronnie de Sousa] Trabalhar em uma grande empresa, concurso público ou abrir um escritório, qual conselho você deixa para os jovens profissionais de contabilidade que estão se formando.

[Ailton Fernando] É preciso seguir a vocação. Um profissional de contabilidade por natureza já tem características inerentes á profissão, como percepção, leitura constante interpretação são algumas dessas características, porém, outros fatores muito pessoais devem ser levados em consideração na condução da carreira, inclusive o fator financeiro também.

Geralmente a opção por um concurso público é uma escolha mais segura, estável e que não apresenta grandes alterações de rotina.

Um escritório de contabilidade pode ser algo mais desafiador, de acordo com a clientela, que geralmente é pulverizada, e força o profissional a ser muito generalista e bem integrado/adepto à leitura, isso apenas no âmbito técnico, sem mencionar a questão da administração de pessoal (equipe) e a busca por novos clientes e todos os aspectos administrativos e financeiros recorrentes a todo empreendendor.

O trabalho em uma grande empresa pode ser o meio termo entre uma rotina e desafios constantes, no entanto, pode ser uma atividade que iniba o desenvolvimento do profissional, que certamente terá que obedecer regras, hierarquia e percorrer um caminho longo para formação de um plano de carreira.

O ideal seria poder participar das três experiências, para que o profissional pudesse desenvolver uma carreira segura e consistente, de acordo com situações reais e vividas, mas provavelmente não haverá espaço e tempo para esse tipo de experiência, logo, cabe ao profissional questionar, ler, observar e interpretar os prós e contras para as três opções, ter percepção de sua personalidade quanto às características apresentadas, verificar sua necessidade financeira, e seja qual for a opção escolhida, esforçar-se ao máximo, demonstrar disponibilidade, buscar conhecimento contínuo, ou seja, jamais acomodar-se.

 

[Ronnie de Sousa] Conclusão

[Ailton Fernando] Acredito que espaços como esse, onde temos a oportunidade de relatar nossas experiências e opiniões são essenciais para conhecimento e formação da opinião de vários membros da sociedade a respeito de aspectos e situações as quais nem todos têm o devido conhecimento, pois não fazem parte da convivência da maioria.

Informações, esclarecimentos e discussões úteis que poderão e influenciarão a decisão tanto de profissionais recém formados, quanto dos mais experiências e no mais variado nível de hierarquia.

 

Visitantes: 3605



Clique aqui para comentar esta entrevista



CELSO BARBOSA

CONTADOR
ITAPECERICA DA SERRA - AC
Membro desde: 15/10/05
O pequeno escritório de contabilidade não é inibidor de carreira contábil, mais sim, seus próprios trabalhadores. Mais acredito que se o gestor de sua própria carreira de contabilidade buscar se atualizar constantemente, poucos ficam nos escritórios, pois estes em muitas vezes não podem acompanhar com os salários. Foi o meu caso assim, que tive de procurar outros vagas porque minha empresa reconhecia que não podia me acompanhar com os salários na velocidade que eu vinha me atualizando. Foram duas graduações, três especializações, mais de 30 cursinhos dos três principais departamentos de contabilidade e por fim, estou chegando no mestrado.

Dia 05/10/2015 às 17:14:09


CELSO BARBOSA

CONTADOR
ITAPECERICA DA SERRA - AC
Membro desde: 15/10/05
Contribuindo com a explanação do colega, acredito que talvez, a melhor opção para aqueles novatos que realmente tem sede de viver e aprender contabilidade é começar por um pequeno escritório contábil e depois se aventurar por grandes consultorias ou grandes presas. Se este, for um profissional que realmente busca se atualizar continuamente, acredito com certeza se tornará um profissional de ponta. Mais se o perfil do profissional é acomodação talvez o melhor seja se aventurar em um concurso publico.

Dia 05/10/2015 às 16:57:26


Leandro Oliveira

Contabilista
Embu - SP
Membro desde: 15/07/27
Tenho que discordar que o trabalho em empresas de contabilidade inibe o desenvolvimento da carreira profissional. O ambiente aonde estamos inseridos e o contexto de rápida atualização de normas e regras leva a experiências desafiadoras para os colaboradores de um escritório, e mais com experiência vivida em grande empresas e em escritório, o frio na barriga gostoso de sentir somente um escritório de contabilidade pode proporcionar. Agora quer estabilidade, concurso público é a melhor saída.

Abraços a todos os colegas.

Dia 27/07/2015 às 11:46:48


Marcos C.

Contador
São José dos Campos - SP
Membro desde: 01/02/2013
Saudações,

Concordo com Ainton quando ele diz que o trabalho em empresa de contabilidade pode inibir o desenvolvimento da carreira profissional. Isso é fato e realmente inibe. Não tenho medo de dizer que uma empresa de contabilidade pode ser um grande vilão da carreira profissional. Há muitos artigos por ai que retratam muito bem a estrutura das empresas de contabilidade e a relação com empregados e clientes. Geralmente são empresas de subsistência onde somente o dono é beneficiado com a prosperidade e crescimento profissional.

Dia 29/06/2015 às 14:40:20


Irineu Sousa Cordeiro

Contador
Sete Lagoas - MG
Membro desde: 13/08/2012
Bom dia amigos! Não concordo em partes com Marco Aurélio. Os escritórios que serão extintos são aqueles que não se atualizaram, nem investiram em tecnologia. Os que estão mais para "preenchedores de guias". Principalmente, os que trabalham somente com empresas muito pequenas, esses sim, serão extintos em breve. Já estamos assistindo vários escritórios se sucumbirem. Eu estou trabalhando nas duas pontas, segmentando e prestando serviços diretamente nas grandes empresas. Creio estar dando bons resultados!
Abs a todos!

Dia 29/06/2015 às 11:31:03


Marco Aurélio

Contador
São Paulo - SP
Membro desde: 28/06/2015
Prezados,

Duas observações:

1º Escritório de contabilidade online é a pior enganação que existe dentro da classe contábil, deveria ser vedado pelos fiscais do CRC.

2º Escritórios de contabilidade nunca serão extintos, afinal nosso sócio é o governo.

No restante estão de parabéns

Dia 28/06/2015 às 00:28:19


Ronnie de Sousa

Profissional de Contabilidade
São Paulo - SP
Membro desde: 03/04/2012
Amigos,

Fiquem a vontade para comentar, assim podemos iniciar um debate construtivo sobre o tema.

Grande abraço.

Dia 28/06/2015 às 00:16:49


 

Entrevistas anteriores
Entrevistado Entrevistador Data
Michel Rodrigues - Gestão e Gerência em Controladoria Ronnie de Sousa 06/08/2015
Ailton Fernando de Souza - Escritórios de Contabilidade Ronnie de Sousa 27/06/2015
André Luiz Fajan - Controladoria e Gestão Ronnie de Sousa 13/04/2013
Eduardo Pardini - Auditoria Interna, Gestão de Riscos e Governança Corporativa Ronnie de Sousa 27/02/2013
Theodoro Versolato Júnior - Orçamento Empresarial e Planejamento Estratégico Ronnie de Sousa 08/02/2013
Nilton Facci - Ensino Contábil Ronnie de Sousa 23/01/2012