COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Robertto Onofrio

• Contabilista;
• Administrador de empresas;
• Especialização em administração financeira;
• Assessor financeiro;
• Consultor contábil;
• Perito assistente.

 


Parecer sobre a Lei Rouanet – artigo 26 aplicados ás instituições financeiras

Por Robertto Onofrio

1 - FUNDAMENTO LEGAL:

Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o Incentivo Fiscal (Renúncia Fiscal) através do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), instituído pela Lei Rouanet (Lei 8.313/1991), com ênfase no artigo 26 e em especial para Instituições Financeiras.  Tal programa visa estimular o apoio da iniciativa privada ao setor cultural. O proponente apresenta uma proposta cultural ao Ministério da Cultura (MinC) e, caso seja aprovada, é autorizado a captar recursos junto às pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda (IR) ou empresas tributadas com base no lucro real para a execução do projeto, sendo assim procedemos ao exame da legislação e normativos abaixo elencados:

2 - O QUE É E COMO SE OPERACIONALIZA:

Trata-se de análise de viabilidade e operacionalização de incentivos fiscais para investimentos em projetos culturais, onde o proponente apresenta uma proposta cultural ao Ministério da Cultura (MinC) e, depois de aprovada a proposta, o proponente é autorizado a captar recursos junto a pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda (IR), que apresentam declaração completa, ou empresas tributadas com base no lucro real visando a execução do projeto.

O apoio a um determinado projeto pode ser revertido no total ou em parte para o investidor do valor desembolsado deduzido do imposto devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação tributária. Para empresas, até 4% do imposto devido; para pessoas físicas, até 6% do imposto devido.

Podem apresentar propostas pessoas físicas com atuação na área cultural (artistas, produtores culturais, técnicos da área cultural etc.); pessoas jurídicas públicas de natureza cultural da administração indireta (autarquias, fundações culturais etc.); e pessoas jurídicas privadas de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos (empresas, cooperativas, fundações, ONG's, organizações culturais etc.).

Proponentes pessoas físicas podem ter até dois projetos. Já os proponentes da pessoa jurídica podem inscrever até cinco projetos ativos no Sistema de Apoio às Lei de Incentivo (Salic), compreendidos entre a apresentação de proposta e do relatório final de cumprimento do objeto.

Acima deste limite e até o número máximo de quatro projetos para pessoa física e 10 projetos para pessoa jurídica, somente serão admitidas propostas para o proponente que tiver liberação da movimentação dos recursos captados em pelo menos 33% das propostas apresentadas, considerado o número de propostas apresentadas nos últimos três anos.

2.1 - Enquadramento do projeto e benefícios para pessoas jurídicas enquadradas como Instituições financeiras:

Os projetos culturais podem ser enquadrados no artigo 18 ou artigo 26 da Lei Rouanet. Quando o projeto é enquadrado no artigo 18, o patrocinador poderá deduzir 100% do valor investido, desde que respeitado o limite de 4% para pessoa jurídica e 6% para pessoa física.

O patrocinador que apoia um projeto enquadrado no artigo 26 poderá deduzir, além de sua despesas operacional, também em seu imposto de renda, o percentual equivalente a 30% para pessoa jurídica (no caso de patrocínio) / 40% (no caso de doação).

A diferença entre doação e patrocínio é que, na doação, o investimento é realizado em uma empresa sem fins lucrativos, enquanto que, no patrocínio, o investimento é feito em uma empresa com ou sem fins lucrativos. Outra diferença está na forma de abatimento do Imposto de Renda. No artigo 18, não é possível deduzir o investimento no imposto de renda devido pela empresa tributado pelo lucro real, porém no artigo 26 é possível.

De acordo com a Receita Federal, são operacionais as despesas não computadas nos custos, necessárias à atividade da empresa e à manutenção da respectiva fonte produtora. As despesas operacionais admitidas são as usuais ou normais no tipo de transações, operações ou atividades da empresa, entendendo-se como necessárias as pagas ou incorridas para a realização das transações ou operações exigidas pela atividade da empresa.

 

Vide abaixo Quadro Demonstrativo à título de exemplificação:

 

Lei Rouanet – Artigo 26

Abatimento de 30% (trinta por cento) – patrocínio - e 40% (quarenta por cento) –doação - do imposto de renda devido, limitado a 4% (quatro por cento) do IR devido (somente do IR: não conta adicional ou CSLL). Ainda poderá lançar o valor doado ou patrocinado como despesa operacional, diminuindo assim seu lucro líquido e consequentemente os tributos que recaem sobre esse lucro (o próprio Imposto de Renda e a CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). Deve-se observar também que o valor a deduzir tanto na doação como no patrocínio é limitado a 2% (dois por cento) do Lucro Operacional da entidade doadora/patrocinadora.  Importante destacar que as empresas em geral recuperam até 64% a 74% de sua carga tributária ao investirem em projetos incentivados através do artigo 26, enquanto as instituições financeiras podem chegar 70% a 80%, tal diferença advém do percentual superior à título de CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO – CSLL das instituições financeiras que é de 15% (quinze por cento) da base de cálculo do Imposto de Renda, enquanto as demais empresas é 9% (nove por cento) conforme quadros demonstrativos abaixo:

 

2.2 – Como o investidor deve contabilizar estes investimentos:

 

3 - CONCLUSÃO:

Analisando o exposto acima, bem como os quadros demonstrativos, podemos concluir que instituições financeiras que investirem em projetos culturais fundamentados na legislação ora analisada, se beneficiam além da apropriação como despesas operacional do valor investido no projeto, como ainda um significativo redutor em sua carga tributária, podendo assim incluir em seu planejamento estratégico e tributário tal item com respaldo legal e normativo.

 

 

 

 

Postado dia 14/01/2017 - Fonte: Essência Sobre a Forma

Visitantes: 1008