COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Roberto Dias Duarte

• Palestrante, escritor, blogger, professor e administrador de empresas
• MBA pelo Ibmec
• Membro do Conselho Consultivo da Mastermaq Software
• Especialista em Tecnologia da Informação, Certificação Digital, Redes Sociais, SPED e NF-e
• Mais de 20 anos em projetos de gestão e tecnologia
• Autor dos livros:
• "Big Brother Fiscal": "Big Brother Fiscal – I" (2008);
• "Big Brother Fiscal – II" (2009);
• "O Brasil na Era do Conhecimento" (2010);
• e "Manual de Sobrevivência no Mundo Pós-SPED" (2011)
• O primeiro livro da série, também foi o primeiro a tratar do tema SPED e NF-e.
• Vendeu mais de 12mil exemplares dos livros somente através do seu blog www.robertodiasduarte.com.br).
• O terceiro livro da série foi publicado também em formato eletrônico (ebook), e disponibilizado gratuitamente para download (mais de 100mil).

 


Qual é o sistema que meu escritório contábil deve adotar?

Por Roberto Dias Duarte

 

Muita gente tem me questionado sobre esse ponto. Qual seria, afinal, o melhor sistema para a automação das tarefas de um escritório contábil? Em primeiro lugar, há um entendimento equivocado com relação ao uso da tecnologia neste setor. A maior parte dos escritórios cai no “canto da sereia” e adota tecnologias sem o menor planejamento. O resultado, na maioria das vezes, é desastroso: mais custos, estresse e prejuízos.

O caminho é estudar, diagnosticar seu modelo de negócio, público-alvo e oferta de valor. A partir disso, é possível promover uma remodelagem no padrão e na arquitetura tecnológica para atendimento e captação de clientes. Ferramentas inovadoras, temos várias. Mas qual delas realmente vai maximizar as receitas e reduzir meus custos? Depende justamente do público-alvo e da oferta de valor. Sem essa análise, qualquer investimento em TI não passa de mera pirotecnia.

Hoje há no mercado uma infinidade de sistemas que automatizam as operações contábeis, fiscais, tributárias e trabalhistas. Além destes, temos portais de atendimento a clientes, sistemas de CRM, gestão de custos, ERPs, mídias digitais, EAD, blogs, comunidades etc. Investir em tudo ao mesmo tempo é sinal de amadorismo. E decidir quais tecnologias utilizar sem a definição prévia do modelo de negócio equivale a jogar “roleta russa” com a sua empresa.

A primeira análise a fazer tem relação com o segmento de mercado que o escritório vai atender. No Brasil, com mais de 40 alterações tributárias por dia e 11 milhões de regras fiscais, não há sistema que atenda às peculiaridades de todos os setores de atividade. Mais ainda, a definição de segmento de mercado não se limita à identificação de quais ramos seu escritório poderá atender. Ou seja, definir seu público-alvo somente pelo CNAE das empresas é inócuo. É preciso entender mais características, tais como expectativas com relação à conformidade legal, perfil tecnológico, demandas gerenciais e maturidade gerencial dessas empresas. 

Quando não se conhece em detalhes o perfil dos clientes,  tampouco as técnicas de planejamento e gestão, as decisões são tomadas  com base em crenças pessoais. Por exemplo, há muita gente investindo em produção de vídeos de conteúdo empresarial. Mas,  será que esses materiais  estão alinhados com os interesses do seu público alvo? Mais ainda, todo mundo estaria mesmo  ansioso por consumir essa forma  de  mídia?

Quem atende clientes que têm baixa percepção de valor com relação aos serviços contábeis deve trabalhar com um modelo de negócio enxuto, de custo reduzido. Para isso, é fundamental automatizar o relacionamento. Uma solução inteligente é atendê-los por canais eletrônicos, de forma padronizada.

Já quem tem a carteira formada por empresas operacionalmente mais complexas, que demandam serviços de maior valor, pode investir no uso de sistemas integrados de gestão (ERP), focando a oferta em serviços consultivos.

Dependendo do perfil do público-alvo, o ERP deverá ser instalado na infraestrutura do próprio cliente, ou então na do escritório contábil. Nesta última hipótese, atua-se como uma espécie de hospedeiro de todo o aparato tecnológico e administrativo do contratante.

Agora, quando temos o ERP instalado na empresa, a organizacão contábil tem duas alternativas: integrar o ERP  aos seus sistemas contábeis/fiscais/trabalhistas ou usar essas funcionalidades diretamente no ERP do cliente.

O primeiro passo para definir a arquitetura tecnológica que irá aumentar a percepção de valor dos clientes e as receitas, além de reduzir os custos, é justamente ter uma boa estratégia de negócios. É preciso clareza na definição de questões como: quem é meu cliente? O que ele quer de mim? Quais são suas “dores” e  de que forma aliviá-las? Como posso entregar o que o meu cliente quer? Qual o nível de maturidade empresarial e tecnológica desta carteira?

Enfim, como dizem os antigos, “quando a cabeça não funciona, o corpo padece”. Traduzindo: a estratégia precede a ação. Quem insistir em atender mercados diferentes com soluções iguais certamente sofrerá com o prejuízo gerado pela comoditização dos serviços prestados.

 

Postado dia 17/01/2016 - Fonte: Essência Sobre a Forma


Todos os artigos deste autor:

Como o jeito Disney de atendimento ao cliente pode ser referência para seu escritório contábil - 09/08/2017

Contador 4i: a quarta onda nos negócios contábeis - 23/09/2016

Contabilidade on-line: um machado cego? - 27/06/2016

Como pensa a nova geração do empreendedorismo contábil - 31/05/2016

Como aumentar o valor dos serviços contábeis - 23/05/2016

Por que é tão difícil vender soluções para obrigações fiscais? - 11/05/2016

Como o impeachment afetará os negócios contábeis - 05/05/2016

Quem sobreviverá ao futuro dos negócios contábeis? - 20/04/2016

12 Passos para vender soluções fiscais sem entrar na disputa por preço - 10/03/2016

Como transformar seu escritório contábil em uma consultoria de sucesso - 01/03/2016

ICMS: Incompetência ou má-fé? - 23/02/2016

“Novo ICMS”: o AI-5 do comércio eletrônico - 17/02/2016

A verdadeira inovação disruptiva nos escritórios contábeis - 05/02/2016

Contabilidade on-line é uma inovação disruptiva? - 25/01/2016

Qual é o sistema que meu escritório contábil deve adotar? - 17/01/2016

Mindset Empreendedor, o próximo desafio do mercado contábil - 11/01/2016

Crise, inovação e oportunidades no empreendedorismo contábil - 28/12/2015

Sped, eSocial, Bloco K: novos desafios para 2016 - 17/12/2015

Empreendedorismo contábil e o fim do “Samba de uma nota só” - 09/12/2015

Você indicaria seu escritório contábil a um amigo? - 19/11/2015

O lado bom do eSocial - 10/11/2015

Milícias Tributárias - 28/10/2015

Inovação, a essência do empreendedorismo - 21/10/2015

Eu Sonego, tu sonegas; eles só negam - 08/10/2015

Negócios contábeis 2.0: Como transformar problemas em oportunidades - 28/09/2015

A urgente necessidade de profissionalização das organizações contábeis - 22/09/2015

O lixeiro, o tributarista e a fábula da imundice - 13/09/2015

Contabilidade e carreiras lucrativas no “País das Maravilhas” - 02/09/2015

Mais SPED em 2016: Será que o comércio precisa se preocupar? - 27/08/2015

Contabilidade global. E os nossos escritórios? - 18/08/2015

Marketing de Relacionamento, - 05/08/2015

Serviços contábeis: como valorizar o preço - 20/07/2015

Serviços Contábeis: preço ou valor? - 12/06/2015

Redes sociais, mas com profissionalismo - 05/06/2015

Os novos desafios das empresas contábeis - 25/05/2015

Franquia de Escritórios Contábeis Entra de Vez no Radar de Investimentos - 18/05/2015

Escritório Contábil: como conquistar novos clientes? - 23/04/2015

Argumentos ilegítimos contra a terceirização - 13/04/2015

Por um ambiente menos hostil às pequenas e médias empresas - 18/03/2015

Inovação diferencia serviços contábeis - 09/02/2015

Mais Verdades, Menos Impostos - 20/01/2015

Safras Promissoras na Contabilidade - 22/12/2014

Caxirola Tributária 2, a missão - 28/10/2014

Por um Novo Modelo de Negócios para as Empresas Contábeis - 23/09/2014

eSocial: a CLT digital - 02/09/2014

Eleições e reformas: momento de apertar os parafusos - 25/08/2014

Novo Simples prenuncia o eSocial das MPEs - 14/08/2014

Futebol x Política: virando o jogo - 17/07/2014

#VaitereSocial - 03/07/2014

eSocial: como aproveitar ao máximo os 12 meses que faltam? - 27/06/2014

eSocial que bate em Chico também bate em Francisco - 04/06/2014

Caixa de Utopias - 27/05/2014

Surrealismo Regulatório Brasileiro - 21/05/2014

eSocial e simplificação da burocracia - 15/05/2014

NFC-e: A verdadeira automação comercial do Brasil - 22/04/2014

eSocial sem almoço grátis - 14/04/2014

O alto custo da burocracia informatizada - 02/04/2014

eSocial: Informalidade no combate da própria - 26/03/2014

O desafio do eSocial para as Organizações Contábeis - 13/03/2014

eSocial sob ameaça? - 27/02/2014

Os nós do eSocial - 11/02/2014

eSocial: à espera de um milagre - 16/01/2014

Falsas Conquistas Brasileiras em 2013 - 06/01/2014

A quem interessa a Reforma Tributária? Ou não... - 22/11/2013

Organizações contábeis devem conhecer e investir em marketing 3.0 - 12/11/2013

eSocial: um ano bastará? - 01/11/2013

Os poucos amigos da simplificação tributária - 25/10/2013

O que a China tem a nos ensinar - 14/10/2013

Desencontros do ESOCIAL - 01/10/2013

Risco Total nas Empresas - 26/09/2013

Novo Empreendedorismo Contábil - 19/09/2013

Manicômio Tributário - 15/09/2013

Impostos, um enigma para 'O Homem Que Calculava' - 07/09/2013

E-Social - Mais Arrecadação; Menos Burocracia? - 29/08/2013

O Peso Morto da Burocracia Tributária - 07/08/2013

Sedentarismo Burocrático - 25/07/2013

Por que não simplificar? - 17/07/2013

Cidadania Inadiável - 03/07/2013

Patético Adiamento do Imposto na Nota - 29/06/2013

Empreendedor também pode protestar - 22/06/2013

Imposto na nota, porque não cumprir ? - 08/06/2013

Caxirola Tributária - 05/06/2013

Empreender no Brasil continua nada simples - 27/05/2013

O Alto Preço das Incivilidades - 10/05/2013

Pacificando a favela tributária - 22/04/2013

Grandes incoerências para os pequenos - 06/04/2013

Por um país sem "benefícios" surreais - 26/03/2013

A amarga conta tributária brasileira - 04/03/2013

O Sped e a foice - 13/02/2013

Reforma já ou hipertributação sempre - 08/01/2013

A "meia nota" do governo - 01/01/2013

EFD-Contribuições: A Modernização da burocracia - 17/12/2012

EFD-Contribuições: Por que há tantas retificações? - 01/12/2012

Impostos na nota: Revolução não se veta - 17/11/2012

Simpliflicações no país das maravilhas tributárias - 03/11/2012

Prudência, canja e NF-E não fazem mal a ninguém - 20/10/2012

A farsa da democracia tributária - 10/10/2012

EFD-Contribuições: Quem pagará esta conta? - 27/09/2012

SPED e Custo Brasil: Porque a EFD-Contribuições deve ser interrompida - 11/09/2012

Aprenda e se defender do "Phishing Fiscal" - 19/08/2012

SPED e Lucro Presumido:Adiaram o "Big Bang" - 08/08/2012

Tributação brasileira: eficaz, porém ineficiente - 24/07/2012

Difícil de engolir - 06/07/2012

As Carolinas do SPED - 26/06/2012

Empreender no País da Transparência - 01/06/2012

As Luízas do SPED - 21/05/2012

Os segredos da validação do XML da Nota Fiscal Eletrônica - 06/05/2012

Pressa da Receita Federal coloca em risco Micro e Pequenas Empresas - 22/04/2012

As novas fronteiras da segurança digital - 18/04/2012

Visitantes: 1536


izmir escort
gaziantep escort
porno
porno
bodrum bayan escort