COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Roberto Dias Duarte

• Palestrante, escritor, blogger, professor e administrador de empresas
• MBA pelo Ibmec
• Membro do Conselho Consultivo da Mastermaq Software
• Especialista em Tecnologia da Informação, Certificação Digital, Redes Sociais, SPED e NF-e
• Mais de 20 anos em projetos de gestão e tecnologia
• Autor dos livros:
• "Big Brother Fiscal": "Big Brother Fiscal – I" (2008);
• "Big Brother Fiscal – II" (2009);
• "O Brasil na Era do Conhecimento" (2010);
• e "Manual de Sobrevivência no Mundo Pós-SPED" (2011)
• O primeiro livro da série, também foi o primeiro a tratar do tema SPED e NF-e.
• Vendeu mais de 12mil exemplares dos livros somente através do seu blog www.robertodiasduarte.com.br).
• O terceiro livro da série foi publicado também em formato eletrônico (ebook), e disponibilizado gratuitamente para download (mais de 100mil).

 


O lixeiro, o tributarista e a fábula da imundice

Por Roberto Dias Duarte

 

Era uma vez um país muito sujo, coberto de lixo por todos os lados. Ruas, calçadas, parques e até mesmo florestas não escapavam de tanta poluição, o que logo daria àquela nação o incômodo título de a mais imunda do mundo.  Mas o problema não estava apenas na quantidade, e sim na gigantesca variedade de detritos existentes.

Além de incomodar a todos, a sujeira em profusão atrapalhava os negócios e restringia as oportunidades de crescimento, reduzindo a quantidade de empregos no país. 

Na tentativa de diminuir o lixo e criar um ambiente minimamente aceitável, as organizações consumiam muito tempo de seus empregados. O somatório dos esforços para tal tarefa, em cada empresa, correspondia a uma verdadeira fortuna. Obviamente, isso era repassado ao consumidor final. Além disso, doenças nos clientes e funcionários eram constantes, a exemplo de autuações, multas trabalhistas e ações promovidas pelos órgãos públicos sanitários.

Neste país havia alguns lixeiros que ganhavam muito dinheiro. Nem todos, claro! Mas alguns deles eram especialistas em cada tipo específico de limpeza. Alguns se tornaram exímios em eliminar resíduos de insumos para indústrias. Outros, na retirada da sujeira de produtos vendidos pelo comércio. Uma terceira parcela se especializou no lixo residencial, e assim por diante.

Mas as especializações tornaram-se, com o tempo, muito sofisticadas, devido às características de cada indústria, comércio, prestador de serviços e até autônomos. Chegou-se ao ponto de haver especialista em lixo nos insumos da indústria alimentícia de conservas. Sem contar com as características locais de diferentes detritos. Cada estado e até município era de tal forma peculiar neste quesito, que o especialista de uma região simplesmente não conseguia trabalhar em outra.

Há décadas, a sociedade clamava por providências. Seria urgente uma reforma com o objetivo de reduzir a quantidade e a diversidade daquele verdadeiro lixão nacional. Todos deveriam ganhar com isto, principalmente os mais pobres. Afinal, eles poderiam comprar produtos mais baratos e haveria mais empregos decorrentes do desenvolvimento de novos negócios. Esta mudança facilitaria ainda a abertura de novas empresas, pois muita gente acabava desistindo de ter o seu próprio empreendimento, dada a dificuldade de tratar o lixo gerado por essa corajosa atitude .

Na tentativa de reduzir a sujeira, as autoridades criaram um Sistema Público de Fiscalização Eletrônica de Detritos, o SPFED. Empresas foram submetidas a dezenas de sistemas de controle digitais. Documentos eletrônicos tomaram conta do cotidiano empresarial, como a Nota de Controle de Circulação de Lixo; o Conhecimento de Transporte de Lixo e a Nota de Serviços de Tratamento de Lixo.

Diversos outros sistemas foram incorporados, caso do Controle da Fiscalização Digital de Trânsito de Lixo, do Controle da Fiscalização Digital das Contribuições Poluentes e também do Registro Eletrônico de Informações sobre Retenções de Detritos. Criou-se até um sistema de controle eletrônico dos trabalhadores relacionados às atividades poluentes, o eSanitário. Mesmo com tantas iniciativas de fiscalização, o lixo só aumentava. Em quantidade e complexidade. 

Havia, basicamente, dois grupos na sociedade contrários às reformas: os grandes beneficiados e os iludidos. Os primeiros eram os grandes corruptos, que exploravam a indústria de multas e autuações sanitárias. Em conluio com algumas “grandes" empresas, ganhavam bilhões para reduzir o custo dos seus lixos, obtendo em contrapartida duas formas de benefício: vantagens especiais do governo em troca de dinheiro para campanhas políticas e criando barreiras protecionistas para impedir que empresas éticas entrassem em seus mercados. Ou seja, políticos e corporações poderosas, porém inescrupulosas, trabalhavam na surdina para criar mais lixo a cada dia.

O segundo grupo de beneficiados, os iludidos, era composto por alguns consultores de lixo convencidos de que, quanto maior fosse a quantidade e a diversidade da sujeira, mais dinheiro ganhariam com seus serviços.  Eles não entendiam como prosperar em países extremamente limpos. Mal poderiam imaginar que nesses lugares os consultores eram mais valorizados e bem remunerados. Muitos profissionais do governo, envolvidos nas atividades fiscalizatórias, também eram contra as reformas. Eles tinham medo de perder o emprego. Por isso, alegavam que se o lixo acabasse, muita gente ficaria fora do mercado.

Inúmeras gerações se perderam até que houvesse uma mudança de verdade no país. Finalmente, foram realizadas reformas beneficiando a maioria e os “parasitas do lixo” perderam a guerra. O lixo se reduziu drasticamente em quantidade e qualidade. 

O país encontrou, finalmente, o caminho da prosperidade. As empresas cresceram, empregos foram gerados. Novos empreendedores surgiam todos os dias. As exportações aumentaram. Investidores internacionais apostavam mais no país. Os corruptos foram pegos e as empresas a eles associadas, severamente punidas.

E qual destino tiveram os consultores de lixo? A profissão extinguiu-se? Na realidade, não. Os iludidos perderam suas consultorias, afinal eles criaram modelos de negócios que apenas seriam sustentáveis em um ambiente altamente poluído. 

Contudo, outro tipo de consultor surgiria. Aquele que entendeu sempre haver lixo a produzir, e que a simplificação desses detritos geraria inovações nos serviços consultivos, suscitando uma relação “ganha-ganha-ganha” entre consultorias, empresas e sociedade.

Enfim, proliferaram as consultorias de reciclagem, de melhoria da competitividade ambiental, de planejamento global de ações preventivas, integrando a cadeia produtiva do país ao resto do mundo. Elas entenderam que sua missão não seria cuidar do lixo, mas sim da saúde das empresas e das pessoas, num ambiente literalmente limpo. 

Infelizmente, no Brasil atual ainda há muita gente acreditando na política de quanto pior for nosso sistema tributário - diga-se de passagem, há décadas o mais complexo do mundo - , melhor.  Esses “profissionais” simplesmente não concebem a ideia de trabalhar inseridos num sistema claro, objetivo, justo e simples. Certamente se esquecem da existência de consultores em países como Estados Unidos, Alemanha e Japão. Pobres almas iludidas! Deve ser frustrante pensar que você só consegue ganhar dinheiro se o resto da sociedade perder, mergulhada em pilhas e pilhas do mais puro lixo!

Por outro lado, é cada vez maior a quantidade de profissionais na área tributária e contábil cientes de que sua missão não é cuidar da sujeira, e sim da saúde das pessoas e empresas. Estes sim são dignos de se orgulhar do papel que exercem, não apenas em seu trabalho diário, mas principalmente no país bem melhor que estão ajudando a construir.

 

Postado dia 13/09/2015 - Fonte: Essência Sobre a Forma


Todos os artigos deste autor:

Como o jeito Disney de atendimento ao cliente pode ser referência para seu escritório contábil - 09/08/2017

Contador 4i: a quarta onda nos negócios contábeis - 23/09/2016

Contabilidade on-line: um machado cego? - 27/06/2016

Como pensa a nova geração do empreendedorismo contábil - 31/05/2016

Como aumentar o valor dos serviços contábeis - 23/05/2016

Por que é tão difícil vender soluções para obrigações fiscais? - 11/05/2016

Como o impeachment afetará os negócios contábeis - 05/05/2016

Quem sobreviverá ao futuro dos negócios contábeis? - 20/04/2016

12 Passos para vender soluções fiscais sem entrar na disputa por preço - 10/03/2016

Como transformar seu escritório contábil em uma consultoria de sucesso - 01/03/2016

ICMS: Incompetência ou má-fé? - 23/02/2016

“Novo ICMS”: o AI-5 do comércio eletrônico - 17/02/2016

A verdadeira inovação disruptiva nos escritórios contábeis - 05/02/2016

Contabilidade on-line é uma inovação disruptiva? - 25/01/2016

Qual é o sistema que meu escritório contábil deve adotar? - 17/01/2016

Mindset Empreendedor, o próximo desafio do mercado contábil - 11/01/2016

Crise, inovação e oportunidades no empreendedorismo contábil - 28/12/2015

Sped, eSocial, Bloco K: novos desafios para 2016 - 17/12/2015

Empreendedorismo contábil e o fim do “Samba de uma nota só” - 09/12/2015

Você indicaria seu escritório contábil a um amigo? - 19/11/2015

O lado bom do eSocial - 10/11/2015

Milícias Tributárias - 28/10/2015

Inovação, a essência do empreendedorismo - 21/10/2015

Eu Sonego, tu sonegas; eles só negam - 08/10/2015

Negócios contábeis 2.0: Como transformar problemas em oportunidades - 28/09/2015

A urgente necessidade de profissionalização das organizações contábeis - 22/09/2015

O lixeiro, o tributarista e a fábula da imundice - 13/09/2015

Contabilidade e carreiras lucrativas no “País das Maravilhas” - 02/09/2015

Mais SPED em 2016: Será que o comércio precisa se preocupar? - 27/08/2015

Contabilidade global. E os nossos escritórios? - 18/08/2015

Marketing de Relacionamento, - 05/08/2015

Serviços contábeis: como valorizar o preço - 20/07/2015

Serviços Contábeis: preço ou valor? - 12/06/2015

Redes sociais, mas com profissionalismo - 05/06/2015

Os novos desafios das empresas contábeis - 25/05/2015

Franquia de Escritórios Contábeis Entra de Vez no Radar de Investimentos - 18/05/2015

Escritório Contábil: como conquistar novos clientes? - 23/04/2015

Argumentos ilegítimos contra a terceirização - 13/04/2015

Por um ambiente menos hostil às pequenas e médias empresas - 18/03/2015

Inovação diferencia serviços contábeis - 09/02/2015

Mais Verdades, Menos Impostos - 20/01/2015

Safras Promissoras na Contabilidade - 22/12/2014

Caxirola Tributária 2, a missão - 28/10/2014

Por um Novo Modelo de Negócios para as Empresas Contábeis - 23/09/2014

eSocial: a CLT digital - 02/09/2014

Eleições e reformas: momento de apertar os parafusos - 25/08/2014

Novo Simples prenuncia o eSocial das MPEs - 14/08/2014

Futebol x Política: virando o jogo - 17/07/2014

#VaitereSocial - 03/07/2014

eSocial: como aproveitar ao máximo os 12 meses que faltam? - 27/06/2014

eSocial que bate em Chico também bate em Francisco - 04/06/2014

Caixa de Utopias - 27/05/2014

Surrealismo Regulatório Brasileiro - 21/05/2014

eSocial e simplificação da burocracia - 15/05/2014

NFC-e: A verdadeira automação comercial do Brasil - 22/04/2014

eSocial sem almoço grátis - 14/04/2014

O alto custo da burocracia informatizada - 02/04/2014

eSocial: Informalidade no combate da própria - 26/03/2014

O desafio do eSocial para as Organizações Contábeis - 13/03/2014

eSocial sob ameaça? - 27/02/2014

Os nós do eSocial - 11/02/2014

eSocial: à espera de um milagre - 16/01/2014

Falsas Conquistas Brasileiras em 2013 - 06/01/2014

A quem interessa a Reforma Tributária? Ou não... - 22/11/2013

Organizações contábeis devem conhecer e investir em marketing 3.0 - 12/11/2013

eSocial: um ano bastará? - 01/11/2013

Os poucos amigos da simplificação tributária - 25/10/2013

O que a China tem a nos ensinar - 14/10/2013

Desencontros do ESOCIAL - 01/10/2013

Risco Total nas Empresas - 26/09/2013

Novo Empreendedorismo Contábil - 19/09/2013

Manicômio Tributário - 15/09/2013

Impostos, um enigma para 'O Homem Que Calculava' - 07/09/2013

E-Social - Mais Arrecadação; Menos Burocracia? - 29/08/2013

O Peso Morto da Burocracia Tributária - 07/08/2013

Sedentarismo Burocrático - 25/07/2013

Por que não simplificar? - 17/07/2013

Cidadania Inadiável - 03/07/2013

Patético Adiamento do Imposto na Nota - 29/06/2013

Empreendedor também pode protestar - 22/06/2013

Imposto na nota, porque não cumprir ? - 08/06/2013

Caxirola Tributária - 05/06/2013

Empreender no Brasil continua nada simples - 27/05/2013

O Alto Preço das Incivilidades - 10/05/2013

Pacificando a favela tributária - 22/04/2013

Grandes incoerências para os pequenos - 06/04/2013

Por um país sem "benefícios" surreais - 26/03/2013

A amarga conta tributária brasileira - 04/03/2013

O Sped e a foice - 13/02/2013

Reforma já ou hipertributação sempre - 08/01/2013

A "meia nota" do governo - 01/01/2013

EFD-Contribuições: A Modernização da burocracia - 17/12/2012

EFD-Contribuições: Por que há tantas retificações? - 01/12/2012

Impostos na nota: Revolução não se veta - 17/11/2012

Simpliflicações no país das maravilhas tributárias - 03/11/2012

Prudência, canja e NF-E não fazem mal a ninguém - 20/10/2012

A farsa da democracia tributária - 10/10/2012

EFD-Contribuições: Quem pagará esta conta? - 27/09/2012

SPED e Custo Brasil: Porque a EFD-Contribuições deve ser interrompida - 11/09/2012

Aprenda e se defender do "Phishing Fiscal" - 19/08/2012

SPED e Lucro Presumido:Adiaram o "Big Bang" - 08/08/2012

Tributação brasileira: eficaz, porém ineficiente - 24/07/2012

Difícil de engolir - 06/07/2012

As Carolinas do SPED - 26/06/2012

Empreender no País da Transparência - 01/06/2012

As Luízas do SPED - 21/05/2012

Os segredos da validação do XML da Nota Fiscal Eletrônica - 06/05/2012

Pressa da Receita Federal coloca em risco Micro e Pequenas Empresas - 22/04/2012

As novas fronteiras da segurança digital - 18/04/2012

Visitantes: 1697


beylikduzu escort
porno
porno
launchporn pornorodeo pornfoy pornrelation