COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Roberto Dias Duarte

• Palestrante, escritor, blogger, professor e administrador de empresas
• MBA pelo Ibmec
• Membro do Conselho Consultivo da Mastermaq Software
• Especialista em Tecnologia da Informação, Certificação Digital, Redes Sociais, SPED e NF-e
• Mais de 20 anos em projetos de gestão e tecnologia
• Autor dos livros:
• "Big Brother Fiscal": "Big Brother Fiscal – I" (2008);
• "Big Brother Fiscal – II" (2009);
• "O Brasil na Era do Conhecimento" (2010);
• e "Manual de Sobrevivência no Mundo Pós-SPED" (2011)
• O primeiro livro da série, também foi o primeiro a tratar do tema SPED e NF-e.
• Vendeu mais de 12mil exemplares dos livros somente através do seu blog www.robertodiasduarte.com.br).
• O terceiro livro da série foi publicado também em formato eletrônico (ebook), e disponibilizado gratuitamente para download (mais de 100mil).

 


Contabilidade e carreiras lucrativas no “País das Maravilhas”

Por Roberto Dias Duarte

 

“Não importa que caminho tomar, se você não sabe aonde quer ir”, respondeu o Gato de Cheshire à Alice. Sim, aquela menina que foi parar no País das Maravilhas. Lembrei-me desta magnífica frase do felino de sorriso pronunciado porque, recentemente, presenciei uma discussão sobre qual seria a área mais lucrativa na contabilidade, diante de um jovem profissional ansioso por orientação de carreira.

Assim como em qualquer outra área, a resposta a esta questão poderia ser “todas” ou “nenhuma”, pois direcionar-se para a atuação em empresas ou ter em mente seu próprio negócio exige algo que nós, brasileiros, não estamos habituados a fazer: planejar.

Seja como intraempreendedor ou empreendedor, o primeiro passo para um bom planejamento é definir aonde se quer chegar. Esta definição deve se basear em prazos e números. Por exemplo, o profissional poderia ter como meta alcançar um cargo estratégico em uma corporação transnacional até os 50 anos de idade. Ou poderia estabelecer como objetivo acumular um patrimônio pessoal de R$ 5 milhões até os 30 anos. Outra opção seria definir como ideal a constituição de uma família e cuidar das saúdes financeira, física e moral de todos os seus membros.

Nenhuma destas opções seria necessariamente certa ou errada, não passam de exemplos. O fato é que apenas entendendo aonde queremos chegar seremos capazes de definir os caminhos e os meios para tal.

Qualquer que seja a rota a seguir, o próximo passo após esta escolha crucial é a análise de todo o contexto ao redor. E isto se faz olhando, primeiramente, para si próprio, a fim de entender alguns pontos básicos. Isto é, suas vocações, o que de fato o realiza, aquilo que reconhece fazer bem feito, mas também os pontos fracos e demais aspectos indesejáveis.

Depois, abra os olhos para os mercados local e global, questionando como estão as empresas, quais perspectivas elas têm, que nichos tendem a crescer ou simplesmente sumir.

Conceitualmente, este processo se denomina análise SWOT (forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, na sigla em inglês) e sua aplicação irá direcioná-lo para as oportunidades mais promissoras e em quais segmentos vale a pena concentrar energias.

Só assim será possível criar um modelo de negócios (pessoal ou empresarial), identificando alguns elementos fundamentais: mercado de atuação e seu valor ofertado, formas de se relacionar com ele, canais de comunicação, receitas, atividades e recursos-chaves (humanos e materiais), parceiros e custos. Uma ferramenta simples e objetiva que nos ajuda a projetar tudo isto é o Business Model Canvas.

Outro fator muito importante para o sucesso profissional é a compreensão profunda de quem seja o cliente ideal. O que ele pensa, vê, fala, como age, quem o influencia e quais são suas “dores” e desejos. Com toda esta análise, pode-se construir um plano de ação, inicialmente formado por metas menores, para depois se atingirem objetivos de longo prazo.

Vamos analisar um exemplo hipotético de alguém que almeje uma carreira corporativa. Aplicando a matriz SWOT, a pessoa descobre sua vocação relacionada a questões tributárias. Além disso, tem facilidade com tecnologia da informação, mas sabe que suas fraquezas incluem dificuldade com a língua inglesa e o relacionamento interpessoal.

Com relação ao cenário externo, percebe no entorno apenas empresas pequenas e familiares, mas enxerga boas oportunidades em indústrias numa cidade relativamente próxima.

Ao montar o Canvas, nosso personagem hipotético entende que seu público-alvo são os executivos de multinacionais industriais. O valor que ele tem a oferecer engloba conhecimento técnico, dedicação, disciplina e ética. Para este perfil de público, o relacionamento deve ser profissional, porém individualizado. Os canais de comunicação mais importantes com este público são o LinkedIn, eventos corporativos e profissionais, assim como a existência de amigos em comum.

Analisando as possíveis receitas, percebe ainda que os salários e as bonificações para cargos mais elevados são atraentes. O que se pede, em contrapartida, são as capacidades de fazer planejamento tributário, liderar equipes, conduzir projetos e apresentar resultados em reuniões executivas.

Já os recursos primordiais para tudo isso consistem em bons conhecimentos técnicos, fluência em inglês, postura profissional adequada, facilidade com tecnologia, organização, habilidade de comunicação e no exercício da liderança. Os parceiros, por sua vez, os gestores de outros departamentos e consultores externos, enquanto os custos se relacionam basicamente a cursos e apresentação pessoal.

Levantadas todas estas informações, pode-se estabelecer pequenos objetivos para disciplinar e motivar a jornada. Um bom planejamento é capaz de ajudar no sucesso de qualquer empreitada. Desde a estruturação de um escritório contábil focado na competição por preço até aquele de alto valor agregado. No primeiro caso, ficará evidente a necessidade de milhares de clientes e a automação extrema de processos. No segundo, a importância da atuação por nichos, com serviços personalizados e consultivos.

Não estamos no País das Maravilhas, é verdade. Por isso, seguir caminhos errados pode levar não somente ao fim prematuro de uma carreira, mas também ao próprio fracasso pessoal. Convenhamos, pior do que não ter lucratividade em determinada profissão é mergulhar numa vida infeliz.

Portanto, considere seriamente a necessidade de aplicar estas técnicas de planejamento estratégico no seu dia a dia, pois é mais simples do que possa parecer. Dá trabalho, obviamente, mas quem espera uma solução milagrosa ou receita mágica para o sucesso provavelmente precisa de um choque de realidade, sob pena de se encaixar, juntamente com os seus pares, em outra frase emblemática do Gato de Cheshire: “realmente, somos todos loucos aqui”.

 

Postado dia 02/09/2015 - Fonte: Essência Sobre a Forma


Todos os artigos deste autor:

Como o jeito Disney de atendimento ao cliente pode ser referência para seu escritório contábil - 09/08/2017

Contador 4i: a quarta onda nos negócios contábeis - 23/09/2016

Contabilidade on-line: um machado cego? - 27/06/2016

Como pensa a nova geração do empreendedorismo contábil - 31/05/2016

Como aumentar o valor dos serviços contábeis - 23/05/2016

Por que é tão difícil vender soluções para obrigações fiscais? - 11/05/2016

Como o impeachment afetará os negócios contábeis - 05/05/2016

Quem sobreviverá ao futuro dos negócios contábeis? - 20/04/2016

12 Passos para vender soluções fiscais sem entrar na disputa por preço - 10/03/2016

Como transformar seu escritório contábil em uma consultoria de sucesso - 01/03/2016

ICMS: Incompetência ou má-fé? - 23/02/2016

“Novo ICMS”: o AI-5 do comércio eletrônico - 17/02/2016

A verdadeira inovação disruptiva nos escritórios contábeis - 05/02/2016

Contabilidade on-line é uma inovação disruptiva? - 25/01/2016

Qual é o sistema que meu escritório contábil deve adotar? - 17/01/2016

Mindset Empreendedor, o próximo desafio do mercado contábil - 11/01/2016

Crise, inovação e oportunidades no empreendedorismo contábil - 28/12/2015

Sped, eSocial, Bloco K: novos desafios para 2016 - 17/12/2015

Empreendedorismo contábil e o fim do “Samba de uma nota só” - 09/12/2015

Você indicaria seu escritório contábil a um amigo? - 19/11/2015

O lado bom do eSocial - 10/11/2015

Milícias Tributárias - 28/10/2015

Inovação, a essência do empreendedorismo - 21/10/2015

Eu Sonego, tu sonegas; eles só negam - 08/10/2015

Negócios contábeis 2.0: Como transformar problemas em oportunidades - 28/09/2015

A urgente necessidade de profissionalização das organizações contábeis - 22/09/2015

O lixeiro, o tributarista e a fábula da imundice - 13/09/2015

Contabilidade e carreiras lucrativas no “País das Maravilhas” - 02/09/2015

Mais SPED em 2016: Será que o comércio precisa se preocupar? - 27/08/2015

Contabilidade global. E os nossos escritórios? - 18/08/2015

Marketing de Relacionamento, - 05/08/2015

Serviços contábeis: como valorizar o preço - 20/07/2015

Serviços Contábeis: preço ou valor? - 12/06/2015

Redes sociais, mas com profissionalismo - 05/06/2015

Os novos desafios das empresas contábeis - 25/05/2015

Franquia de Escritórios Contábeis Entra de Vez no Radar de Investimentos - 18/05/2015

Escritório Contábil: como conquistar novos clientes? - 23/04/2015

Argumentos ilegítimos contra a terceirização - 13/04/2015

Por um ambiente menos hostil às pequenas e médias empresas - 18/03/2015

Inovação diferencia serviços contábeis - 09/02/2015

Mais Verdades, Menos Impostos - 20/01/2015

Safras Promissoras na Contabilidade - 22/12/2014

Caxirola Tributária 2, a missão - 28/10/2014

Por um Novo Modelo de Negócios para as Empresas Contábeis - 23/09/2014

eSocial: a CLT digital - 02/09/2014

Eleições e reformas: momento de apertar os parafusos - 25/08/2014

Novo Simples prenuncia o eSocial das MPEs - 14/08/2014

Futebol x Política: virando o jogo - 17/07/2014

#VaitereSocial - 03/07/2014

eSocial: como aproveitar ao máximo os 12 meses que faltam? - 27/06/2014

eSocial que bate em Chico também bate em Francisco - 04/06/2014

Caixa de Utopias - 27/05/2014

Surrealismo Regulatório Brasileiro - 21/05/2014

eSocial e simplificação da burocracia - 15/05/2014

NFC-e: A verdadeira automação comercial do Brasil - 22/04/2014

eSocial sem almoço grátis - 14/04/2014

O alto custo da burocracia informatizada - 02/04/2014

eSocial: Informalidade no combate da própria - 26/03/2014

O desafio do eSocial para as Organizações Contábeis - 13/03/2014

eSocial sob ameaça? - 27/02/2014

Os nós do eSocial - 11/02/2014

eSocial: à espera de um milagre - 16/01/2014

Falsas Conquistas Brasileiras em 2013 - 06/01/2014

A quem interessa a Reforma Tributária? Ou não... - 22/11/2013

Organizações contábeis devem conhecer e investir em marketing 3.0 - 12/11/2013

eSocial: um ano bastará? - 01/11/2013

Os poucos amigos da simplificação tributária - 25/10/2013

O que a China tem a nos ensinar - 14/10/2013

Desencontros do ESOCIAL - 01/10/2013

Risco Total nas Empresas - 26/09/2013

Novo Empreendedorismo Contábil - 19/09/2013

Manicômio Tributário - 15/09/2013

Impostos, um enigma para 'O Homem Que Calculava' - 07/09/2013

E-Social - Mais Arrecadação; Menos Burocracia? - 29/08/2013

O Peso Morto da Burocracia Tributária - 07/08/2013

Sedentarismo Burocrático - 25/07/2013

Por que não simplificar? - 17/07/2013

Cidadania Inadiável - 03/07/2013

Patético Adiamento do Imposto na Nota - 29/06/2013

Empreendedor também pode protestar - 22/06/2013

Imposto na nota, porque não cumprir ? - 08/06/2013

Caxirola Tributária - 05/06/2013

Empreender no Brasil continua nada simples - 27/05/2013

O Alto Preço das Incivilidades - 10/05/2013

Pacificando a favela tributária - 22/04/2013

Grandes incoerências para os pequenos - 06/04/2013

Por um país sem "benefícios" surreais - 26/03/2013

A amarga conta tributária brasileira - 04/03/2013

O Sped e a foice - 13/02/2013

Reforma já ou hipertributação sempre - 08/01/2013

A "meia nota" do governo - 01/01/2013

EFD-Contribuições: A Modernização da burocracia - 17/12/2012

EFD-Contribuições: Por que há tantas retificações? - 01/12/2012

Impostos na nota: Revolução não se veta - 17/11/2012

Simpliflicações no país das maravilhas tributárias - 03/11/2012

Prudência, canja e NF-E não fazem mal a ninguém - 20/10/2012

A farsa da democracia tributária - 10/10/2012

EFD-Contribuições: Quem pagará esta conta? - 27/09/2012

SPED e Custo Brasil: Porque a EFD-Contribuições deve ser interrompida - 11/09/2012

Aprenda e se defender do "Phishing Fiscal" - 19/08/2012

SPED e Lucro Presumido:Adiaram o "Big Bang" - 08/08/2012

Tributação brasileira: eficaz, porém ineficiente - 24/07/2012

Difícil de engolir - 06/07/2012

As Carolinas do SPED - 26/06/2012

Empreender no País da Transparência - 01/06/2012

As Luízas do SPED - 21/05/2012

Os segredos da validação do XML da Nota Fiscal Eletrônica - 06/05/2012

Pressa da Receita Federal coloca em risco Micro e Pequenas Empresas - 22/04/2012

As novas fronteiras da segurança digital - 18/04/2012

Visitantes: 1260


izmir escort
gaziantep escort
porno
porno
bodrum bayan escort