COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Tom Coelho

• Formado em Publicidade pela ESPM;
• Formado em Economia pela USP;
• Especialização em Marketing e em Qualidade de Vida no Trabalho;
• Mestre em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente;
• Foi executivo, empresário, secretário geral do IQB/ INMETRO;
• Foi diretor do Simb/Abrinq e VP da AAPSA;
• Atualmente é professor em cursos de pós-graduação;
Conferencista e escritor com artigos publicados por mais de 800 veículos da mídia em 17 países, além de diretor da Lyrix Desenvolvimento Humano e do NJE/CIESP;
• É autor dos livros “Somos Maus Amantes – Reflexões sobre carreira, liderança e comportamento”, “Sete Vidas – Lições para construir seu equilíbrio pessoal e profissional” e coautor de outras cinco obras. Site: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

 


Associativismo de resultados

Por Tom Coelho

 

“Nosso caráter é resultado de nossa conduta.” 
(Aristóteles)

Desde 1996 atuo voluntariamente em associações e entidades. Quer saber a verdade? Comecei nisso por mero interesse pessoal.

Eu era fabricante de brinquedos metálicos para playground, entre outros itens. Um dia, decidi certificar meus produtos com o objetivo precípuo de ter um diferencial competitivo em relação à concorrência. O raciocínio era simples: se meu produto tivesse um selo de qualidade eu certamente poderia atuar no mercado com um preço premium, o que me garantiria maior rentabilidade.

Porém, para chegar lá, era necessário criar as normas que regulamentariam o mercado. Procurei o Inmetro que instituiu uma comissão de estudos formada por diversos fabricantes, laboratórios técnicos de certificação e órgãos de defesa do consumidor.

As primeiras reuniões foram terríveis, com um corporativismo latente. Fabricantes de brinquedos de madeira insinuavam que os metálicos eram perigosos porque esquentavam sob o sol e poderiam provocar queimaduras nas crianças. Os fabricantes de produtos em aço, por sua vez, argumentavam que os brinquedos de madeira soltavam farpas que também eram ofensivas. Enquanto isso, os importadores de brinquedos de plástico injetado assistiam a tudo de camarote. Detalhe, nos anos de 1990 ainda não se falava em preocupações de cunho ambiental.

O fato é que após alguns encontros, com intensas discussões e constantes estudos das normas em vigor nos Estados Unidos e na Europa, subitamente um senso de civismo (e civilidade) tomou conta de todos os atores daquela comissão. A norma que estávamos elaborando era especificamente voltada não à qualidade, mas à segurança dos produtos fabricados e comercializados. Foi quando adotamos um princípio básico: o brinquedo pode ser até de cristal, desde que não comprometa a integridade dos usuários – as crianças.

Assim nasceu a NBR-14350/1999 (segurança de brinquedos de playground). Como secretário-geral daquela comissão que se reuniu mensalmente ao longo de dois anos, tenho hoje a alegria de saber que deixei um legado, mesmo não atuando mais naquele segmento empresarial. Foi quando aprendi o propósito e a força do associativismo.

Desde então, participei de várias iniciativas como a salvaguarda contra brinquedos importados da China, a supressão da CPMF e, mais recentemente, o Feirão do Imposto, promovendo a conscientização da população com relação à carga tributária embutida no preço dos produtos.

Toda esta experiência permitiu-me chegar a algumas conclusões:

1. Você é voluntário até começar a participar. Integrar uma associação ou entidade é uma decisão pessoal. Contudo, uma vez assumido o compromisso, você se torna responsável pelo cumprimento de um planejamento estratégico previamente formulado e pela defesa dos propósitos que norteiam a missão da organização. Esta é uma mensagem àqueles que atuam diretamente na gestão.

2. Participar não se resume a pagar mensalidades. A contribuição mensal é o bem menor que você pode legar. É limitado e superficial acreditar que basta depositar alguns reais por mês em favor da entidade e exigir que os outros lutem por seus interesses. Você precisa participar ativamente de reuniões, debates e eventos. Esta é uma mensagem aos associados.

3. O interesse coletivo se sobrepõe ao individual. O nome do jogo não é vencer, mas convencer. Isso significa ter flexibilidade e nenhum compromisso com o erro. Em alguns momentos seu argumento é mais fraco e você perde. Mas a derrota de hoje pode ser a vitória de amanhã.

4. O inimigo deve ser eleito com critério. O adversário deve ser nomeado coletivamente. Com rapidez você descobre que ele não é o concorrente na sala ao lado, mas sim a estrutura tributária paranoica, os entraves à competitividade, a economia informal, o produto importado com câmbio favorável e qualidade questionável.

5. As batalhas devem ser escolhidas com sabedoria. A questão não é debater demandas específicas, de caráter conjuntural, mas sim buscar a regulamentação de um setor ou mudanças estruturais. É trocar o benefício de curto prazo, transitório, por avanços de longo prazo, duradouros, capazes de promover a geração de emprego e renda.

Muitas vezes temos o mau hábito de criticar sem oferecer alternativas, praguejar sem dialogar, julgar sem refletir. E, assim, terceirizamos a culpa como indulgência pessoal à nossa própria negligência.

Postado dia 02/09/2012 - Fonte: Essência Sobre a Forma


Todos os artigos deste autor:

Gestão com empatia - 07/10/2017

Síndrome de planejamento - 28/10/2015

Geração sem-sem - 08/10/2015

O filho e o pai - 09/08/2015

Feliz 2018! - 29/07/2015

Ensaio sobre a amizade - 19/07/2015

Prazer e obrigação - 22/06/2015

Corrupção padrão Fifa - 10/06/2015

Engajamento e retenção - 03/06/2015

Gestão empresarial em tempos de crise - 26/05/2015

A farsa do Facebook - 23/05/2015

Os deveres do poder público - 13/05/2015

Um roteiro para a excelência na educação - 06/05/2015

Como perder clientes - 04/05/2015

Teimosia empreendedora - 27/04/2015

Qual é o seu problema? - 23/04/2015

Promoção e poder - 21/07/2014

A Lei de Felipe - 19/06/2014

Copa sem paixão - 15/06/2014

A volta da inflação - 18/04/2014

Custo, Tempo e Qualidade - 17/01/2014

Teimosia empreendedora - 22/11/2013

Um sentido para a vida - 15/09/2013

O Brasil público que dá certo - 27/07/2013

Quatro Pilares para o Sucesso - 05/07/2013

O fim do pão e circo - 29/06/2013

O clichê, o básico e o simples - 31/05/2013

Cliente, este intruso - 25/05/2013

Portas abertas - 05/05/2013

Cinco passos para uma meta - 14/04/2013

Regras de ouro para administrar o tempo e viver melhor - 18/03/2013

Estabilidade ou promiscuidade na carreira? - 02/03/2013

A chave da boa educação - 31/01/2013

Autenticidade na responsabilidade social - 20/01/2013

Ser e estar - 17/12/2012

O mal da mediocridade - 01/12/2012

Atitude - 25/11/2012

Metas, realizações e resultados - 04/11/2012

Ensinando a ousar - 27/10/2012

Iniciativa, hesitação e acabativa - 20/10/2012

A ética do resultado - 05/10/2012

Começando pelo quintal - 22/09/2012

Mudança e tolerância - 11/09/2012

Associativismo de resultados - 02/09/2012

Liderança questionada - 18/08/2012

Ingredientes para o sucesso 10 tópicos essenciais para o êxito nas corporações - 08/08/2012

Neocompetência: Uma nova abordagem para o sucesso profissional - 24/07/2012

No limiar da inovação - 12/07/2012

Liderança e poder - 11/07/2012

Inovar para crescer - 06/07/2012

O novo profissional de Contabilidade - 26/06/2012

Visitantes: 2007