COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Ailton Fernando de Souza

● Bacharel em Ciências Contábeis pela Unipaulistana;
● Pós-graduado em Gestão Estratégica do Terceiro Setor pela UNIFMU;
● Ex-professor do curso Técnico em Contabilidade do SENAC;
● Exerce cargo de Gestão e Gerência de Contabilidade ;
● Autor e coordenador do livro Contabilidade na Prática (Editora Trevisan,2014);
● Autor do artigo científico Governança Corporativa em Entidades do Terceiro Setor, publicado pela Revista Direito do Terceiro Setor (Editora Fórum,Dez/2013);

 


A participação do contador em tempos de crise

Por Ailton Fernando de Souza

 

Não basta apenas atender as obrigações acessórias e realizar corretamente a escrituração, apuração dos tributos e emitir as demonstrações financeiras; cabe ao contador /contabilista agir como o grande parceiro de seu cliente.

O profissional de contabilidade tende a ser o grande conselheiro para os micro e pequenos empresários, já que essa categoria de empresas, até por conta de sua estrutura enxuta e condição financeira não tem por hábito manter à disposição um departamento de controladoria ou um departamento jurídico que possam lhes auxiliar em períodos críticos, como o atual em nosso país.

Com o atual cenário econômico, com quedas nos índices de consumo, o que enfraquece toda a cadeia econômica, desde a produção, comercialização e prestação de serviços, os empresários buscam opções que lhes permitam suavizar os efeitos negativos que possam lhes atingir, dessa forma, o contador é o parceiro essencial e necessário, pois alia o conhecimento técnico de processos de gestão, administração contábil e tributária, e conhecimento do perfil, da operação, do negócio praticado pela empresa, de forma que pode sugerir opções seguras e que podem garantir a continuidade dos negócios.

Opções por exemplo, que podem resultar em uma menor carga tributária para o cliente também pode garantir a manutenção da mensalidade, já que verificamos uma grande demanda de solicitações de reduções no valor das mensalidades, no caso de contabilidade terceiriza, além de modificar a visão do empresário, que por desconhecimento , pela simples necessidade de “redução de custos” substitui um bom profissional/escritório de contabilidade.

É uma grande oportunidade também para que os bons profissionais e destaquem, uma nova “seleção natural”, já que, para que essa parceria que sugiro acima tenha progresso e surta efeito, o profissional de contabilidade deve ter segurança, conhecimento experiência além de ser um constante pesquisar e explorador da ciência contábil e procedimentos fiscais/tributários.

Ganham muito em prestígio e credibilidade o profissional que se adianta, e oferece opções a seus clientes antes que os mesmos peçam/solicitem, pois isso demonstra acompanhamento, preocupação e cumplicidade no sentido de prover à entidade das melhores opções disponíveis, que sejam capazes de aumentar receitas, ou reduzir custos , encargos e tributos. Uma ideia é o planejamento tributário, que é algo pouco explorado ainda pelos escritórios, mas que podem traduzir-se em reduções que podem chegar a valores razoáveis considerando uma mudança de regime tributário, ou mesmo modificações nos processos internos.

Aqui cabe a máxima: “De um limão faça uma limonada”.

 

Postado dia 20/07/2015 - Fonte: Essência Sobre a Forma

Visitantes: 1377


izmir escort
gaziantep escort
porno
porno
bodrum bayan escort