COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Roberto Dias Duarte

• Palestrante, escritor, blogger, professor e administrador de empresas
• MBA pelo Ibmec
• Membro do Conselho Consultivo da Mastermaq Software
• Especialista em Tecnologia da Informação, Certificação Digital, Redes Sociais, SPED e NF-e
• Mais de 20 anos em projetos de gestão e tecnologia
• Autor dos livros:
• "Big Brother Fiscal": "Big Brother Fiscal – I" (2008);
• "Big Brother Fiscal – II" (2009);
• "O Brasil na Era do Conhecimento" (2010);
• e "Manual de Sobrevivência no Mundo Pós-SPED" (2011)
• O primeiro livro da série, também foi o primeiro a tratar do tema SPED e NF-e.
• Vendeu mais de 12mil exemplares dos livros somente através do seu blog www.robertodiasduarte.com.br).
• O terceiro livro da série foi publicado também em formato eletrônico (ebook), e disponibilizado gratuitamente para download (mais de 100mil).

 


Escritório Contábil: como conquistar novos clientes?

Por Roberto Dias Duarte

 

Três anos atrás, quando lecionava em cursos de pós-graduação, passei por um momento bem difícil. Foram duas semanas intensas realizando palestras em diversas cidades do Brasil. Voos longos, poucas horas de sono, má alimentação. Para completar,  havia ainda as aulas da pós na sexta-feira, sábado e domingo.

Cansaço, ar-condicionado, sala de aula sem microfone, resultado: perdi completamente a voz. No domingo, estava afônico. A minha grande preocupação eram as três palestras que teria de ministrar a partir da terça seguinte. 

Minha ação foi rápida. Procurei uma fonoaudióloga recomendada por um amigo, também palestrante. Esta profissional é referência para quem usa a voz como ferramenta de trabalho, em especial palestrantes e professores. Não pensei duas vezes: paguei o valor da consulta particular. Graças aos exercícios e técnicas aprendidas, consegui cumprir meus compromissos profissionais. Mais ainda, continuei com as consultas por muito tempo até aprender técnicas fundamentais para prevenir novos problemas do gênero. 

Nessa situação, jamais me ocorreu procurar um clínico geral. Nem mesmo um profissional de fonoaudiologia que não conhecesse bem os desafios da vida de um palestrante. Fui direto ao ponto. Paguei caro, mas valeu cada centavo. 

Contei a passagem acima para ilustrar a relação da atual posição do Brasil como líder mundial de empreendedorismo – segundo dados da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM) – com o trabalho dos escritórios contábeis. Outros estudos apontam que mais da metade da nova classe média quer ser dona do seu próprio negócio. Contamos com mais de 9 milhões de empresas legalmente constituídas. A maioria esmagadora é atendida por cerca de 80 mil organizações contábeis.

Entretanto, segundo pesquisa por mim realizada em 2014, apenas 17% dos escritórios contábeis têm atuação especializada em algum perfil de cliente. Além disso, apenas um em cada três oferece serviços personalizados. Para completar o quadro, em torno de 70% afirmaram que seus principais diferenciais eram calcular corretamente os tributos e cumprir com as obrigações legais.

Ora, desde que o mundo foi criado, uma lei continua em vigor: a de mercado. Oferta  e  demanda.  Se há muita gente ofertando um serviço com características muito semelhantes entre si, a concorrência neste mercado é definida pelo preço. Simples assim.

A base de clientes para escritórios contábeis é crescente, dada a busca crescente pelo empreendedorismo como carreira. Mas, os empresários do setor precisam entender esse novo perfil a ser atendido. A pesquisa GEM aponta, há anos, que o novo empresário brasileiro é motivado por oportunidades (70%) e não pela necessidade de subsistência (30%). Quem busca abrir um negócio com esta motivação precisa de apoio não somente para calcular tributos e cumprir com as obrigações. Isto é, demanda apoio em todas as áreas da gestão - da financeira aos recursos humanos.

Além disso, é muito mais exigente quanto à seleção de parceiros. O que realmente o prestador de serviços contábeis pode oferecer a ele, além do óbvio? O contador e seus funcionários entendem a dinâmica do mercado de seu cliente? Falam a mesma língua? 

Enfim, se a organização contábil quer conquistar novos clientes, seja a partir de empresas já existentes ou das que estão surgindo, ela precisa se profissionalizar. Entender-se também como empresa. Criar um modelo de negócios competitivo, diferenciado, vencedor. Tornar-se referência em um serviço ou mercado. E isto não se faz da noite para o dia. É preciso muito investimento em planejamento, capacitação em negócios, disciplina e trabalho. 

 

Postado dia 23/04/2015 - Fonte: Essência Sobre a Forma


Todos os artigos deste autor:

Como o jeito Disney de atendimento ao cliente pode ser referência para seu escritório contábil - 09/08/2017

Contador 4i: a quarta onda nos negócios contábeis - 23/09/2016

Contabilidade on-line: um machado cego? - 27/06/2016

Como pensa a nova geração do empreendedorismo contábil - 31/05/2016

Como aumentar o valor dos serviços contábeis - 23/05/2016

Por que é tão difícil vender soluções para obrigações fiscais? - 11/05/2016

Como o impeachment afetará os negócios contábeis - 05/05/2016

Quem sobreviverá ao futuro dos negócios contábeis? - 20/04/2016

12 Passos para vender soluções fiscais sem entrar na disputa por preço - 10/03/2016

Como transformar seu escritório contábil em uma consultoria de sucesso - 01/03/2016

ICMS: Incompetência ou má-fé? - 23/02/2016

“Novo ICMS”: o AI-5 do comércio eletrônico - 17/02/2016

A verdadeira inovação disruptiva nos escritórios contábeis - 05/02/2016

Contabilidade on-line é uma inovação disruptiva? - 25/01/2016

Qual é o sistema que meu escritório contábil deve adotar? - 17/01/2016

Mindset Empreendedor, o próximo desafio do mercado contábil - 11/01/2016

Crise, inovação e oportunidades no empreendedorismo contábil - 28/12/2015

Sped, eSocial, Bloco K: novos desafios para 2016 - 17/12/2015

Empreendedorismo contábil e o fim do “Samba de uma nota só” - 09/12/2015

Você indicaria seu escritório contábil a um amigo? - 19/11/2015

O lado bom do eSocial - 10/11/2015

Milícias Tributárias - 28/10/2015

Inovação, a essência do empreendedorismo - 21/10/2015

Eu Sonego, tu sonegas; eles só negam - 08/10/2015

Negócios contábeis 2.0: Como transformar problemas em oportunidades - 28/09/2015

A urgente necessidade de profissionalização das organizações contábeis - 22/09/2015

O lixeiro, o tributarista e a fábula da imundice - 13/09/2015

Contabilidade e carreiras lucrativas no “País das Maravilhas” - 02/09/2015

Mais SPED em 2016: Será que o comércio precisa se preocupar? - 27/08/2015

Contabilidade global. E os nossos escritórios? - 18/08/2015

Marketing de Relacionamento, - 05/08/2015

Serviços contábeis: como valorizar o preço - 20/07/2015

Serviços Contábeis: preço ou valor? - 12/06/2015

Redes sociais, mas com profissionalismo - 05/06/2015

Os novos desafios das empresas contábeis - 25/05/2015

Franquia de Escritórios Contábeis Entra de Vez no Radar de Investimentos - 18/05/2015

Escritório Contábil: como conquistar novos clientes? - 23/04/2015

Argumentos ilegítimos contra a terceirização - 13/04/2015

Por um ambiente menos hostil às pequenas e médias empresas - 18/03/2015

Inovação diferencia serviços contábeis - 09/02/2015

Mais Verdades, Menos Impostos - 20/01/2015

Safras Promissoras na Contabilidade - 22/12/2014

Caxirola Tributária 2, a missão - 28/10/2014

Por um Novo Modelo de Negócios para as Empresas Contábeis - 23/09/2014

eSocial: a CLT digital - 02/09/2014

Eleições e reformas: momento de apertar os parafusos - 25/08/2014

Novo Simples prenuncia o eSocial das MPEs - 14/08/2014

Futebol x Política: virando o jogo - 17/07/2014

#VaitereSocial - 03/07/2014

eSocial: como aproveitar ao máximo os 12 meses que faltam? - 27/06/2014

eSocial que bate em Chico também bate em Francisco - 04/06/2014

Caixa de Utopias - 27/05/2014

Surrealismo Regulatório Brasileiro - 21/05/2014

eSocial e simplificação da burocracia - 15/05/2014

NFC-e: A verdadeira automação comercial do Brasil - 22/04/2014

eSocial sem almoço grátis - 14/04/2014

O alto custo da burocracia informatizada - 02/04/2014

eSocial: Informalidade no combate da própria - 26/03/2014

O desafio do eSocial para as Organizações Contábeis - 13/03/2014

eSocial sob ameaça? - 27/02/2014

Os nós do eSocial - 11/02/2014

eSocial: à espera de um milagre - 16/01/2014

Falsas Conquistas Brasileiras em 2013 - 06/01/2014

A quem interessa a Reforma Tributária? Ou não... - 22/11/2013

Organizações contábeis devem conhecer e investir em marketing 3.0 - 12/11/2013

eSocial: um ano bastará? - 01/11/2013

Os poucos amigos da simplificação tributária - 25/10/2013

O que a China tem a nos ensinar - 14/10/2013

Desencontros do ESOCIAL - 01/10/2013

Risco Total nas Empresas - 26/09/2013

Novo Empreendedorismo Contábil - 19/09/2013

Manicômio Tributário - 15/09/2013

Impostos, um enigma para 'O Homem Que Calculava' - 07/09/2013

E-Social - Mais Arrecadação; Menos Burocracia? - 29/08/2013

O Peso Morto da Burocracia Tributária - 07/08/2013

Sedentarismo Burocrático - 25/07/2013

Por que não simplificar? - 17/07/2013

Cidadania Inadiável - 03/07/2013

Patético Adiamento do Imposto na Nota - 29/06/2013

Empreendedor também pode protestar - 22/06/2013

Imposto na nota, porque não cumprir ? - 08/06/2013

Caxirola Tributária - 05/06/2013

Empreender no Brasil continua nada simples - 27/05/2013

O Alto Preço das Incivilidades - 10/05/2013

Pacificando a favela tributária - 22/04/2013

Grandes incoerências para os pequenos - 06/04/2013

Por um país sem "benefícios" surreais - 26/03/2013

A amarga conta tributária brasileira - 04/03/2013

O Sped e a foice - 13/02/2013

Reforma já ou hipertributação sempre - 08/01/2013

A "meia nota" do governo - 01/01/2013

EFD-Contribuições: A Modernização da burocracia - 17/12/2012

EFD-Contribuições: Por que há tantas retificações? - 01/12/2012

Impostos na nota: Revolução não se veta - 17/11/2012

Simpliflicações no país das maravilhas tributárias - 03/11/2012

Prudência, canja e NF-E não fazem mal a ninguém - 20/10/2012

A farsa da democracia tributária - 10/10/2012

EFD-Contribuições: Quem pagará esta conta? - 27/09/2012

SPED e Custo Brasil: Porque a EFD-Contribuições deve ser interrompida - 11/09/2012

Aprenda e se defender do "Phishing Fiscal" - 19/08/2012

SPED e Lucro Presumido:Adiaram o "Big Bang" - 08/08/2012

Tributação brasileira: eficaz, porém ineficiente - 24/07/2012

Difícil de engolir - 06/07/2012

As Carolinas do SPED - 26/06/2012

Empreender no País da Transparência - 01/06/2012

As Luízas do SPED - 21/05/2012

Os segredos da validação do XML da Nota Fiscal Eletrônica - 06/05/2012

Pressa da Receita Federal coloca em risco Micro e Pequenas Empresas - 22/04/2012

As novas fronteiras da segurança digital - 18/04/2012


Comentários:


Clique aqui para comentar este artigo


Theodoro Versolato Junior

Contador
São Paulo - SP
Membro desde: 03/04/2012
Prof. Roberto. Muito bem colocado, os escritórios não pensam que um cliente bem sucedido reverterá em benefício ao escritório. Os escritórios tem serviços setorizados: Departamento fiscal, pessoal, etc. portanto deveria haver um departamento de orientação financeira aos clientes.
Muitas vezes, com um pouco de orientação o cliente entenderá melhor seu negócio financeiramente e consequentemente terá maior sucesso.
Parabéns
Theodoro

Dia 27/04/2015 às 13:26:13

Visitantes: 1775


izmir escort
gaziantep escort
porno
porno
bodrum bayan escort