COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Tom Coelho

• Formado em Publicidade pela ESPM;
• Formado em Economia pela USP;
• Especialização em Marketing e em Qualidade de Vida no Trabalho;
• Mestre em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente;
• Foi executivo, empresário, secretário geral do IQB/ INMETRO;
• Foi diretor do Simb/Abrinq e VP da AAPSA;
• Atualmente é professor em cursos de pós-graduação;
Conferencista e escritor com artigos publicados por mais de 800 veículos da mídia em 17 países, além de diretor da Lyrix Desenvolvimento Humano e do NJE/CIESP;
• É autor dos livros “Somos Maus Amantes – Reflexões sobre carreira, liderança e comportamento”, “Sete Vidas – Lições para construir seu equilíbrio pessoal e profissional” e coautor de outras cinco obras. Site: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

 


Promoção e poder

Por Tom Coelho

 

“Contrate e promova primeiro com base na integridade; segundo, na motivação;

terceiro, na capacidade; quarto, na compreensão; quinto, no conhecimento;

e, por último, como fator menos importante, na experiência.

Sem integridade, a motivação é perigosa; sem motivação, a capacidade é impotente; sem capacidade, a compreensão é limitada; sem compreensão,

o conhecimento é insignificante; sem conhecimento, a experiência é cega.”

(Dee Hock, fundador da Visa)

 

“O poder muda as pessoas”.

É muito provável que você já tenha proferido a frase acima para qualificar a mudança no comportamento de um amigo após este ser promovido em seu emprego. A este respeito, permita-lhes contar uma breve história...

Há mais de uma década eu estava como diretor de uma empresa para a qual contratei um representante comercial. Em tal posição, o rapaz não tinha vínculo empregatício, ou seja, não precisava cumprir horários ou mesmo comparecer regularmente à companhia. Cabia-lhe apenas visitar clientes para gerar negócios, estando subordinado a mim e ao gerente comercial.

Entretanto, aquele profissional se destacava em relação aos demais em igual função. Ele fazia questão de ir à fábrica, conhecer em profundidade nossos produtos, processos e sistema de gestão. E, diante deste envolvimento, sempre que possível trazia-nos sugestões diversas para melhoria, de forma realmente despretensiosa.

Após um ou dois meses, notei que estava diante de uma pessoa singular, muito acima da média dos demais funcionários. Alguém que não se reduzia aos limites de seu papel, que apresentava admirável visão sistêmica e nítida capacidade de gerenciamento e inovação. Refleti e tomei a decisão de promovê-lo.

Para encaixá-lo no organograma, criei o cargo, até então inexistente, de gerente administrativo. Era o que melhor se enquadrava em seu perfil, posto que transitava com fluidez do departamento de vendas à produção, passando pelo atendimento e suprimentos. Todavia, algo inusitado aconteceu.

Em menos de uma semana no cargo, sua relação com os colegas mudou diametralmente. Ele passou a tratá-los com soberba, em especial a equipe da área comercial, com a qual interagia anteriormente. Até mesmo sua postura física ao caminhar alterou-se! As reclamações começaram a chegar à minha sala até que, menos de um mês depois, não tive opção, demitindo-o.

A grande lição que extraí deste episódio foi de que, em muitos casos, subir na hierarquia faz o poder subir à cabeça. E isso ocorre porque o poder, tal qual o dinheiro, são excepcionais matérias-primas para a vaidade. Porém, diferentemente do que se possa parecer, eles não mudam as pessoas, mas apenas as desmascaram, porque se a arrogância e a prepotência as visitam, é porque sempre estiveram ali presentes, na essência.

Assim, para evitar um infortúnio similar ao que vivenciei, considere três aspectos essenciais antes de promover alguém em sua organização.

Primeiro, conheça o profissional. A rigor, este cuidado deve ser tomado já por ocasião da admissão. Ou, como gosto de dizer, contrate devagar, mas demita rápido. Analise criteriosamente o perfil do executivo, considerando sua personalidade, comportamentos, motivadores e competências. Há instrumentos poderosos para este tipo de avaliação que, quando bem utilizados, permitem colocar a pessoa certa no lugar certo.

Segundo, explicite suas expectativas. Antes mesmo de formalizar a promoção, tornando-a pública, convide o profissional antecipadamente para uma conversa com portas fechadas. Neste momento, informe-o dos motivos que levaram você ou sua equipe a escolhê-lo, elencando os desafios e responsabilidades do cargo, as metas que se espera atingir e qual a autonomia, infraestrutura e equipe que lhe serão disponibilizadas. Apresente também o plano de remuneração e os benefícios inerentes à função.

Por fim, pare e escute. Após o passo anterior, deixe que o profissional relate suas próprias expectativas acerca da nova colocação e se a mesma está alinhada aos seus propósitos pessoais. É neste momento que a promoção pode ser recusada em virtude de uma decisão consciente.

A experiência que relatei confirma a tese de que nem todas as pessoas são indicadas para cargos de liderança. Embora esta seja uma competência possível de ser desenvolvida, há aqueles que não de adequam ao papel de líder. E isso pode ocorrer por dois motivos.

Há profissionais que se sentem deslocados em seu ambiente de trabalho por ter seus pares, antes meros colegas, agora como seus subordinados diretos, impactando o relacionamento interpessoal e gerando uma sensação de desconforto e angústia. Isso é muito recorrente em funções operacionais, em especial com líderes oriundos do chão de fábrica.

Porém, o mais comum são aqueles que, a exemplo do meu antigo representante comercial, não enxergam que liderança é uma posição transitória que não se impõe, mas se conquista, e que precisa ser respaldada por competência, legitimidade, sensibilidade, carisma, persuasão e outros fatores. Contudo, assumem a alcunha de “chefes”, com presunção e orgulho, menosprezando colegas e fornecedores, e desperdiçando uma grande oportunidade.

 

Visite: www.tomcoelho.com.br

 

Postado dia 21/07/2014 - Fonte: Essência Sobre a Forma


Todos os artigos deste autor:

Gestão com empatia - 07/10/2017

Síndrome de planejamento - 28/10/2015

Geração sem-sem - 08/10/2015

O filho e o pai - 09/08/2015

Feliz 2018! - 29/07/2015

Ensaio sobre a amizade - 19/07/2015

Prazer e obrigação - 22/06/2015

Corrupção padrão Fifa - 10/06/2015

Engajamento e retenção - 03/06/2015

Gestão empresarial em tempos de crise - 26/05/2015

A farsa do Facebook - 23/05/2015

Os deveres do poder público - 13/05/2015

Um roteiro para a excelência na educação - 06/05/2015

Como perder clientes - 04/05/2015

Teimosia empreendedora - 27/04/2015

Qual é o seu problema? - 23/04/2015

Promoção e poder - 21/07/2014

A Lei de Felipe - 19/06/2014

Copa sem paixão - 15/06/2014

A volta da inflação - 18/04/2014

Custo, Tempo e Qualidade - 17/01/2014

Teimosia empreendedora - 22/11/2013

Um sentido para a vida - 15/09/2013

O Brasil público que dá certo - 27/07/2013

Quatro Pilares para o Sucesso - 05/07/2013

O fim do pão e circo - 29/06/2013

O clichê, o básico e o simples - 31/05/2013

Cliente, este intruso - 25/05/2013

Portas abertas - 05/05/2013

Cinco passos para uma meta - 14/04/2013

Regras de ouro para administrar o tempo e viver melhor - 18/03/2013

Estabilidade ou promiscuidade na carreira? - 02/03/2013

A chave da boa educação - 31/01/2013

Autenticidade na responsabilidade social - 20/01/2013

Ser e estar - 17/12/2012

O mal da mediocridade - 01/12/2012

Atitude - 25/11/2012

Metas, realizações e resultados - 04/11/2012

Ensinando a ousar - 27/10/2012

Iniciativa, hesitação e acabativa - 20/10/2012

A ética do resultado - 05/10/2012

Começando pelo quintal - 22/09/2012

Mudança e tolerância - 11/09/2012

Associativismo de resultados - 02/09/2012

Liderança questionada - 18/08/2012

Ingredientes para o sucesso 10 tópicos essenciais para o êxito nas corporações - 08/08/2012

Neocompetência: Uma nova abordagem para o sucesso profissional - 24/07/2012

No limiar da inovação - 12/07/2012

Liderança e poder - 11/07/2012

Inovar para crescer - 06/07/2012

O novo profissional de Contabilidade - 26/06/2012

Visitantes: 1157