COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Carlos Meni

• Carlos Meni é diretor presidente da Wolters Kluwer Prosoft;
• Analista de sistemas pela Faculdades Associadas de São Paulo;
• Tem longa carreira na área de tecnologia da informação com foco no segmento de empresas contábeis;
• Palestrante sobre temas ligados ao segmento contábil;
• Participa de congressos e eventos da área contábil e de tecnologia, no Brasil e exterior; É também coach pelo ICI Integrated Coaching Institute.

 


Revolução Contábil Brasileira

Por Carlos Meni

 

As grandes mudanças implementadas pelo governo brasileiro na área contábil, fiscal e trabalhista mudaram o dia a dia das pequenas, médias e grandes empresas de forma radical. Além das diversas adaptações necessárias, sistemas informatizados passaram a ser cada vez mais importantes e até mesmo obrigatórios para a sobrevivência do negócio.

Com a troca de informações praticamente em tempo real entre os órgãos governamentais e as empresas, o monitoramento das movimentações financeiras é implacável, começando no momento de uma compra ou na geração de uma nota fiscal de qualquer tipo – serviços, comercial, cupom fiscal e conhecimento de transporte – até a entrega das mercadorias.

Frente à importância do que vem acontecendo nos últimos anos, as entidades contábeis brasileiras lançaram a campanha “2013, o Ano da Contabilidade no Brasil”. As transformações efetivamente começaram em 2007 e vêm evoluindo a passos largos, e em 2014 haverá ainda novas exigências. Atualmente, os profissionais desta área são os mais valorizados, e a cada dia tornam-se fundamentais para o sucesso das organizações.

Os escritórios de contabilidade encontram-se num momento importante de sua existência, pois estão investindo em conhecimento, treinamento, relacionamento com os clientes e tecnologia, tornando-se parte efetiva de uma verdadeira “revolução contábil brasileira”, que podemos comparar com tantos momentos da história mundial, como a revolução industrial.

A revolução contábil brasileira está exigindo mudanças muito profundas na forma de atender os clientes. Um novo modelo de escritório de contabilidade já se desenha no Brasil, com uma infraestrutura física e intelectual que leva o relacionamento profissional com o cliente a patamares nunca antes vistos neste setor, afinal um é responsável pelo sucesso do outro.

Tamanha transformação está obrigando os empresários contábeis a promover diversas tarefas, como reciclar conhecimentos, reinventar seus escritórios, capacitando ou mesmo trocando funcionários, investir em mais tecnologia e, principalmente, na forma como se relacionam com seus clientes. A adoção desta nova maneira de executar os serviços vem aumentando significativamente os custos das operações, que precisam estar alinhados com as novas necessidades dos clientes.

O esforço dos escritórios de contabilidade para promover todas as mudanças tem sido hercúleo, visto que o governo brasileiro tem tratado o projeto mais importante do país, o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), apenas como uma simples entrega de obrigações, transferindo a responsabilidade aos contadores. Estes, por sua vez, precisam se desdobrar para explicar aos clientes como toda esta complexidade afeta os custos dos serviços. Infelizmente, a maioria das  empresas ainda acha que tudo se resume a apenas apertar alguns botões.

Enquanto as empresas brasileiras não derem a devida atenção às informações que os contadores estão passando, a maioria continuará ameaçada pelo alto risco fiscal que o país, infelizmente, ainda proporciona aos empreendedores. O esforço despendido pelos clientes tem mostrado a importância da confiança mútua entre cliente e prestador de serviço, pois o objetivo é desenvolver capacidades, gerando novas ferramentas para proporcionar mais segurança em todas as etapas do processo.

Nos últimos dois anos, em parceria com diversas entidades contábeis, CRCs, SESCONs e SESCAPs, treinamos presencialmente mais de 30 mil profissionais em todo o Brasil, marca que queremos quebrar futuramente. Não há dúvidas de que estamos fazendo a nossa parte, participando ativamente de iniciativas para o fortalecimento do segmento contábil e das empresas brasileiras.

 

Postado dia 16/01/2014 - Fonte: Essência Sobre a Forma

Visitantes: 3640