COLUNISTAS


Facebook Twitter Linkedin
Tom Coelho

• Formado em Publicidade pela ESPM;
• Formado em Economia pela USP;
• Especialização em Marketing e em Qualidade de Vida no Trabalho;
• Mestre em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente;
• Foi executivo, empresário, secretário geral do IQB/ INMETRO;
• Foi diretor do Simb/Abrinq e VP da AAPSA;
• Atualmente é professor em cursos de pós-graduação;
Conferencista e escritor com artigos publicados por mais de 800 veículos da mídia em 17 países, além de diretor da Lyrix Desenvolvimento Humano e do NJE/CIESP;
• É autor dos livros “Somos Maus Amantes – Reflexões sobre carreira, liderança e comportamento”, “Sete Vidas – Lições para construir seu equilíbrio pessoal e profissional” e coautor de outras cinco obras. Site: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

 


Portas abertas

Por Tom Coelho

 

Antes de entrar, pense na saída."
(Provérbio italiano)
 
 
Diante do dinamismo do mercado de trabalho atual que estimula a mobilidade em todos os níveis hierárquicos, é muito provável que você passe pela experiência de trocar de emprego. Ao fazê-lo, é altamente recomendável adotar uma postura que mantenha abertas as portas da companhia da qual está se retirando.
 
Os motivos são muitos. Primeiro por uma questão de marketing pessoal, valorizando sua própria imagem como profissional dentro da empresa e perante o mercado. Segundo porque o mundo é pequeno e dá voltas, como se diz por aí. Empresas estão constantemente passando por fusões e incorporações e os executivos estão sempre migrando de uma corporação para outra. Assim, é grande a probabilidade de você voltar a atuar sob a tutela de um mesmo chefe ou conglomerado. E terceiro porque você pode não ser bem-sucedido no novo emprego e tentar o retorno ao antigo posto.
 
Compreendido isso, reflita sobre as sugestões a seguir num eventual processo de transição de emprego.
 
1. Seja transparente. Ao surgir uma nova oportunidade e após analisá-la, na medida em que as negociações avançarem de forma consistente, reúna-se com o empregador para informá-lo de sua decisão. Jogue aberto e não deixe para comunicar seus passos na última hora – a informação pode chegar por outras fontes e comprometer sua imagem e credibilidade. Lembre-se também de avisar sua equipe de sua saída, procurando tranquilizá-los.
 
2. Apresente seus motivos. Se a mudança estiver vinculada a uma grande oportunidade de crescimento pessoal, explique que deseja aproveitá-la, mesmo ciente dos riscos. Se o motivo for um melhor pacote de remuneração, comunique isso com clareza, mas esteja preparado para receber uma eventual contraproposta, podendo aceitá-la ou recusá-la, porém sem jamais entrar em um leilão com os empregadores atuais e potenciais sob o risco de ficar sem nenhum dos dois empregos. Agora, se a mudança deve-se a uma insatisfação com a estrutura da empresa ou com a liderança a que está submetido, prefira argumentar que há uma “incompatibilidade de ideias”, ou seja, use de eufemismos para cair fora com elegância.
 
3. Prepare a transição. Em verdade, o trabalho de preparar um sucessor é atribuição de todo bom profissional e deve ser iniciado logo ao ingressar na empresa. Afinal, você se torna insubstituível quando se torna substituível. Todavia, se conduziu seu cargo com mão de ferro, em estilo centralizador, deverá se desdobrar para selecionar em sua equipe a pessoa que julgar mais qualificada e instruí-la para assumir suas responsabilidades. É uma questão primordial e de respeito para com a companhia sair deixando-a em condições de prosseguir com sua rotina.
 
4. Elabore um manual. Faça um manual de procedimentos gerenciais contemplando aspectos tidos como fundamentais à luz de sua experiência diante da organização. Encare o documento, de algumas páginas, como um último relatório de suas atividades, procurando orientar seu substituto e aproveitando para registrar as conquistas auferidas durante sua gestão.
 
5. Dê assistência. A rigor, a legislação brasileira pede um aviso prévio de 30 dias. Se for possível, permaneça à frente dos negócios por este período ou, no mínimo, por 15 dias, a fim de contribuir com o processo de transição. Porém, se o início na outra empresa for imediato, coloque-se à disposição para esclarecer dúvidas por telefone ou e-mail dentro do mesmo prazo em que cumpriria o aviso prévio. Evidentemente, esta colaboração deve ser feita sem interferir em sua nova atividade.
 
6. Negocie a rescisão. Suas verbas rescisórias são direitos adquiridos. Faça uma negociação justa, evitando cair na armadilha de empresas que procuram se esquivar de suas obrigações sob o pretexto de deixarem as portas abertas. Considere até mesmo nomear um procurador para representá-lo.
 
As dicas acima foram postuladas sob a ótica do profissional que pede seu desligamento da empresa. É óbvio que no caso de uma demissão sumária, inclusive aquelas com aviso prévio indenizado, o quadro é outro. Entretanto, mesmo nesta situação, vale o alerta de que demonstrar amargura ou reclamar não ajudará em nada. Sempre, sempre demonstre apreço por ter trabalhado na companhia, mesmo que tenha abominado a experiência. Inclusive esta deve ser sua conduta quando entrevistado por outra organização.
 
No caso de a transição em curso ser para uma empresa concorrente, é evidente que não haverá a possibilidade de cumprir aviso ou dar assistência nos moldes propostos. Nesta circunstância, a transparência ganha relevância suprema, estando associada à ética e ao profissionalismo no que tange ao respeito ao sigilo dos dados estratégicos da companhia demissionária.
 
Por fim, lembre-se de que seu antigo empregador será uma referência permanente em seu currículo, acompanhando-o por toda a vida. Cultive uma boa imagem. É um patrimônio que vale preservar.
 

Postado dia 05/05/2013 - Fonte: Essência Sobre a Forma


Todos os artigos deste autor:

Gestão com empatia - 07/10/2017

Síndrome de planejamento - 28/10/2015

Geração sem-sem - 08/10/2015

O filho e o pai - 09/08/2015

Feliz 2018! - 29/07/2015

Ensaio sobre a amizade - 19/07/2015

Prazer e obrigação - 22/06/2015

Corrupção padrão Fifa - 10/06/2015

Engajamento e retenção - 03/06/2015

Gestão empresarial em tempos de crise - 26/05/2015

A farsa do Facebook - 23/05/2015

Os deveres do poder público - 13/05/2015

Um roteiro para a excelência na educação - 06/05/2015

Como perder clientes - 04/05/2015

Teimosia empreendedora - 27/04/2015

Qual é o seu problema? - 23/04/2015

Promoção e poder - 21/07/2014

A Lei de Felipe - 19/06/2014

Copa sem paixão - 15/06/2014

A volta da inflação - 18/04/2014

Custo, Tempo e Qualidade - 17/01/2014

Teimosia empreendedora - 22/11/2013

Um sentido para a vida - 15/09/2013

O Brasil público que dá certo - 27/07/2013

Quatro Pilares para o Sucesso - 05/07/2013

O fim do pão e circo - 29/06/2013

O clichê, o básico e o simples - 31/05/2013

Cliente, este intruso - 25/05/2013

Portas abertas - 05/05/2013

Cinco passos para uma meta - 14/04/2013

Regras de ouro para administrar o tempo e viver melhor - 18/03/2013

Estabilidade ou promiscuidade na carreira? - 02/03/2013

A chave da boa educação - 31/01/2013

Autenticidade na responsabilidade social - 20/01/2013

Ser e estar - 17/12/2012

O mal da mediocridade - 01/12/2012

Atitude - 25/11/2012

Metas, realizações e resultados - 04/11/2012

Ensinando a ousar - 27/10/2012

Iniciativa, hesitação e acabativa - 20/10/2012

A ética do resultado - 05/10/2012

Começando pelo quintal - 22/09/2012

Mudança e tolerância - 11/09/2012

Associativismo de resultados - 02/09/2012

Liderança questionada - 18/08/2012

Ingredientes para o sucesso 10 tópicos essenciais para o êxito nas corporações - 08/08/2012

Neocompetência: Uma nova abordagem para o sucesso profissional - 24/07/2012

No limiar da inovação - 12/07/2012

Liderança e poder - 11/07/2012

Inovar para crescer - 06/07/2012

O novo profissional de Contabilidade - 26/06/2012

Visitantes: 2266


izmir escort
gaziantep escort
porno
porno
bodrum bayan escort